quinta-feira, outubro 24, 2013

quinta-feira, outubro 17, 2013

Man of Steel


Apesar de não ser grande fã do personagem, e apesar de saber que este filme sofreu duras críticas dos fãs, devo dizer que é, efectivamente o melhor filme do Super-Homem. Lamento, nem na altura os filmes do Christopher Reeves me convenceram. Chatos e algo patéticos. Eis o Super-Homem das BDs finalmente. A única crítica com a qual concordo é a que refere a existência de destruição e devastação inacreditável para o Super-Homem...realmente, que raio de super herói é este que destrói metade duma cidade, senão mais, numa luta interminável com os seus conterrâneos? Mas pronto, de resto, um bom filme.

quarta-feira, outubro 16, 2013

Spot the differences

Enfim, os americanos continuam a demonstrar um grande interesse e predilecção por, bom, rebentar com a Casa Branca. Não contentes com os filmes anteriores que se limitavam a mostrar o edifício a ser explodido ou demolido por ataques extra terrestres, tremores de terra ou outras catástrofes naturais, desta vez acharam que deviam mesmo invadir o raio da casa, matar umas largas centenas de pessoas, tomar refém o Presidente da República e, bom, destruir tudo. E, este ano, não só o fizeram uma vez, como acharam melhor fazê-lo duas vezes. Não percebo bem a indústria cinematográfica hollywoodesca, mas questiono-me sobre a inteligência de lançar, no mesmo ano, dois filmes com a mesmíssima premissa. Num temos um agente dos serviços secretos "has been", no outro um "wanabee" . Num temos os norte-coreanos como representantes do Mal, no outro a ameaça é interna e doméstica, tanto num como outro o Presidente é um tipo jovem, com boa imagem, e com ideias inovadoras para o cargo. Em ambos temos um plano da bandeira trespassada por balas e/ou a cair do mastro. Simbolismos desgraçadamente clichés. Enfim, apesar de tudo isto, ambos proporcionam entretenimento agradável, sem precisar de puxar muito pela cabeça. Um é mais violento e "irreal" e pretende levar-se mais a sério. O outro tem bastante mais humor e a violência é menor, mas de resto vêem-se bem. Adiante e viva o Cine Troika! 

terça-feira, outubro 15, 2013

A BAD day to die hard


De facto há coisas que custam muito a morrer...a série ou franchise, como agora está na moda dizer, dedicada às aventuras e desventuras de John McClane está a fazer jus ao nome, e custa a desaparecer...já não faz qualquer sentido a meu ver, e este novo filme vem provar exactamente isto. Não tarda chegavam ao conceito original do livro em que o primeiro filme foi baseado: um polícia de NY velho, e reformado que luta por salvar a NETA refém num arranha céus. Livro, por sinal, bastante interessante, e que nada tem a ver com o primeiro filme. Mas perdoa-se facilmente isso, pois trata-se, na verdade, de um bom filme.
Mas bom, o conceito começa a deixar de fazer sentido, ou, por outras palavras, já chega. A coisa devia ter acabado no segundo filme, no aeroporto. O que veio a seguir, enfim, foi corriqueiro e bastante normal...mas ainda assim, longe de ser algo aborrecido, inconsequente e sem qualquer interesse, como é este novo A Good Day To Die Hard.
A novidade está na introdução do McClane Júnior, desempenhado por um actor inexpressivo sem qualquer piada ou humor, matando-se assim um dos preceitos que fez o sucesso da série inicialmente. Consta que haverá outro, desta feita sem o Sénior...duvido muito que o Júnior tenha carisma suficiente para carregar um filme, mas pronto, eles é que sabem. Melhor para o Bruce Willis que, neste filme, mais não é do que um side kick, meio atarantado e arrastado para uma história que não lembra ao diabo. Nestes tempos agitados, agradeço entretenimento e diversão sem grandes exigências, mas isto é por demais obtuso. Siga.

segunda-feira, outubro 14, 2013

The Lone Ranger


Don't mind the critics! É o que mais se vê e lê nas reviews do IMDB. E não podia haver conselho mais adequado. Nunca me passou pela cabeça ir ver o filme, até porque tal me tem estado impossibilitado pelas razões óbvias. Todavia não me parece que o fosse ver de qualquer forma. Não só pelo personagem, à qual nunca reconheci grande interesse, mas também por ouvir dizer que era um filme, basicamente, do Johnny Depp, onde ele dava largas às maiores esquisitices. Não me cheirou. Pois, eis senão quando me vejo forçado a retractar-me. Um belo filme de aventuras, repleto de excelente humor, proporcionado, na sua maioria por Depp, claro, pois se o filme é efectivamente dele. Há lá um tonto qualquer com uma mascarilha, que até não vai mal, mas realmente é o Tonto que prevalece. Boa coboiada, para variar.

terça-feira, outubro 08, 2013

John Carter


Eis um filme criminosamente ignorado, criticado e atacado! Não sei porquê na verdade. Talvez porque ao vê-lo vêm à memória uma série imensa de filmes onde já tinha visto isto, o que leva muitos a criticarem o cariz demasiado visto ou "clichè" do filme. Mas a verdade é que filmes e escritos como Avatar, Star Wars, Flash Gordon, Buck Rogers vieram buscar, senão toda, pelo menos muita inspiração aqui. Quase que se pode dizer que o "John Carter" foi activamente pilhado e reciclado ao longo dos anos, poucos se lembrando da fonte posteriormente. Honra feita ao James Cameron que, apesar de ter feito um filme bastante aborrecido em "Avatar", reconheceu a influência directa. Portanto, referir que o filme é pouco original é não saber contextualizar a coisa. Esta adaptação da obra de Edgar Rice Burroughs (esse mesmo, o do Tarzan), segue o original bastante à risca...e foi escrita em 1911! Ou seja, só em 1928 surge "Buck Rogers", e "Flash Gordon" apenas em 1934! Ambos partem também da premissa "terráqueo transportado para outro planeta, onde acaba envolvido numa espécie de guerra civil entre várias facções/raças". Porém, a verdade é que o passar do tempo não foi favorável à obra de Burroughs, que veio a ficar mais famoso pelo Tarzan, (não sei bem porquê, mas o facto de desde cedo terem feito filmes deve ter ajudado) que pelo John Carter. Assim sendo, eis um filme que surpreendeu e muito pela positiva! Um típico e bem feito filme de aventuras série B, onde o costumeiro Bem combate o habitual Mal, tudo para gáudio dos espectadores. A inocência e a ingenuidade que é apreciada por muitos em Indiana Jones e Star Wars,  está aqui bem exposta. Um filme que vale bem a pena.


 
"A chemical dependency for sanity...have i really lost control?"

segunda-feira, outubro 07, 2013

World War Z

 
Algo me diz que perderam aqui uma bela oportunidade de fazer um Grande Filme. Algo me diz também que, como já vai sendo costume, o livro será consideravelmente melhor que esta adaptação cinematográfica. As ideias estão lá, nitidamente, mas foram pobremente executadas, quer-me parecer. Enfim, um filme que entretém, com algumas cenas dignas de nota (em Jerusalém, especialmente), mas, no fim, nada que não tenhamos já visto. "28 Days Later" ainda continua a ser O filme, para mim.


domingo, outubro 06, 2013

Iron Man 3


Um fim digno da trilogia que relançou o conceito de filmes de super heróis, e que criou um padrão quase insuperável. Apesar de tudo, dos três, é capaz de ser o menos bom. Pouco Iron Man, demasiado Tony Stark a brincar ao 007. O plot twist do Mandarim não foi, de todo, do meu agrado, mas vá, há adaptações que têm de ser feitas assim. Seja como for, um filme agradável, em curva algo descendente, pelo que em boa hora termina, julgo eu. Venham os Vingadores!


terça-feira, outubro 01, 2013

Strike two!!

.
.
.
.
.
.
Here we go again!