terça-feira, maio 31, 2011

Entretanto...

... o Engenheiro multiplica-se em pedidos de uma nova vitória e pede pás. "Vá lá pá. Vamos lá. Só precisamos de mais um bocadinho no poleir....no cargo, para podermos continuar a chul..a ajudar o país! Sejam porreiros pá! É só mais um bocadinho assim..."



Passos, por seu turno, fala em enxadas:



Tudo isto confunde imenso Sua Senhoria o PQT, que se tem desdobrado num esforço de concentração monumental : "Huuh. Hrmmm. Hrrrhuh. Maaariaaaaa! Aspirinas!!"



No meio de tantas pás, enxadas, batatadas, pepineiras e, acima de tudo, nabos, o Verdadeiro Paladino da Lavoura é apanhado desprevenido. "Mas querem lá ver estes? Eu é que sou o que fala da agricultura. Da Lavoura! Vão copiar outro!"


sexta-feira, maio 27, 2011

quinta-feira, maio 26, 2011

You I Need



Estes sim. Conseguiram trazer algo de novo e a uma qualidade imbatível. Cada álbum que sai, cada pérola musical. E este consegue mesmo superar as expectativas. Álbum do ano já? A ver vamos. Mas em Novembro lá estaremos em Almada!

quarta-feira, maio 25, 2011

Borealis




Podem não trazer nada de novo, podem não inovar dentro do seu género, mas nem sempre isso é preciso para fazer uma boa banda, um bom álbum, uma bela canção.
With soaring vocals, lightning fast guitars and a rock solid backline, Borealis is bringing leather back, and dragging power metal up with it. It's been that way from the start for these 5 Canadian guys: all or nothing, and it shows in their music.
Starting out in 2005, Borealis wasn't supposed to sound as it does today. The first songs and live performances were done with a female opera singer. It was quickly realized that the possibilities were limited following that path, so they set out to find the right sound. During their search, enough songs were written to record an album, but there was no luck finding a singer. However, at some point the band realized that guitarist Matt Marinelli had been holding out on them by not letting them know that he could sing up until that point.
With Matt now stepping in as their new singer and an arsenal of songs, Borealis entered the studio, and after a long and endlessly drawn out time, the debut album was unleashed in 2008 by the band itself. 'World of Silence' has quickly garnered attention from all angles of the industry, and word is just starting to get out.

terça-feira, maio 24, 2011

Piratas pá!


Não sei porquê, mas algo me diz que esta série dos "Piratas..." deve ter uma série de fãs acérrimos e demasiado protectores. Geeks e nerds todos eles decerto. Se for esse o caso, e se algum estiver, porventura a ler isto, peço que não continuem, pois não são boas notícias as que se seguem!
É que o filme, apesar de toda a sua cor, acção, efeitos, humor e Johnny Depp, é uma pequena seca.
Naturalmente que o primeiro é, francamente, o melhor e o mais divertido. Fui ver o segundo e achei-o uma salada demasiado mista, com demasiadas personagens, demasido folclore. O terceiro nem sequer fui ver. E a razão dessa opção foi-me recordada agora, quando resolvi dar uma oportunidade à quarta sequela., muito porque o trailer prometia.
Acredito que o filme vá ter um sucesso esmagador, que fará milhões e milhões de dólares, que imensa gente o vá proclamar como um excelente filme, mas, não será este o meu caso.
Vá, reconheço que este procurou simplificar, numa espécie de retorno à origem, numa tentativa de recapturar a magia do primeiro. Todavia, a meu ver, falhou.
É que é mais do mesmo, já não há chama, não há a mesma intensidade. E nunca pensei dizer isto, mas os "pãezinhos sem sal" do Orlando Bloom e Keira "Skeletor" Knightley fizeram sentir a sua falta (o subplot romântico entre um tótó cujo nome mal é pronunciado, e uma sereia que nem nome tem, é do mais aborrecido que tenho visto. Pouco convincente, e não é por se tratar de uma sereia!).
A sério que queria muito adorar estes filmes, não só porque o primeiro é muito bom e inteligente, mas também porque a personagem do Capitão Jack Sparrow é uma criação brilhante de um actor também brilhante (fez-se o rapazinho, hem), daquelas que ficará certamente na história do cinema. Mas não consigo, o que veio a seguir tinha e tem tudo para me agradar, mas sinceramente i couldn't care less. As sequelas deixaram-me bastante indiferente, e não sei explicar bem porquê. Simplesmente não fizeram aquele 'click' necessário.
A personagem de Depp é 90% do filme, ou 90% dos motivos de interesse do filme. Neste, em particular, não deixa de ser irónico que a melhor sequência seja passada fora do mar, e fora dum navio. O que, para um filme de piratas, não deixa de ser curioso. A aparição de Sparrow em Londres para salvar da forca um antigo companheiro e a subsequente fuga pelas ruas de Londres é, admito, do melhor que há. Mas depois o "chip" "piratas das caraíbas" é instalado e chega o "mais do mesmo".
Geoffrey Rush volta a fazer o seu Barbossa e, apesar de fazer um belo trabalho, é nítido que está algo perdido no argumento. Ian McShane faz um fabuloso Barba Negra que quase rouba o ecrã a Sparrow, mas não é explorado ao máximo. E Penélope Cruz é inegavelmente agradável à vista, mas uma personagem que me pareceu logo de início algo periclitante, ficou imediatamente descredibilizada aquando da primeira aparição no seu barco posando de forma "piratesca" junto ao leme e gritando, com o seu forte sotaque hispânico, "steady as she goes". Cliché demasiado desnecessário a meu ver.
E, apesar de tudo, continuam a existir demasiados personagens: os espanhóis procuram a Fonte da Juventude, os ingleses idem, Barbossa também, mas nitidamente com um plano próprio, Barba Negra procura o mesmo e...Jack Sparrow também, mas nesta altura já não se percebe porquê. O motivo que leva o grupo espanhol a procurar a fonte é revelado no final e é, quanto a mim, totalmente desnecessário e fraco. Tão desnecessário como a inclusão de um grupo de espanhóis na história. E a parte romântica é tão, mas tão aborrecida....conseguem ainda ser mais desenxabidos que o Orlando e a Skeletor.
Mas pronto, é giro e tal, e vale a pena pelo delicioso Jack Sparrow.


segunda-feira, maio 23, 2011

Museu Nacional do Azulejo






Eis um "segredo" bem guardado ali algures na Rua da Madre Deus, mais perto do que se poderia imaginar. Uma supresa agradável este Museu. Perfeito para um início de Domingo. Entrada à borla, almoço relaxado no delicioso jardim interior e depois um passeio pelo meio dos azulejos. Que me supreenderam mais do que imaginaria. As fotos não são grande coisa. São do telemóvel...é que nãoe stava mesmo à espera de encontrar tanta coisa "fotografável". Em especial a extraordinária Igreja da Madre Deus....paciência!

sexta-feira, maio 20, 2011

quinta-feira, maio 19, 2011

quarta-feira, maio 18, 2011

Águas Mil


Mais um filme português. Mais um benefício da dúvida dado... Pedro, o protagonista perdeu o pai algures durante o PREC e ninguém sabe ou quer contar o que realmente lhe aconteceu. Aquando da mudança da sua avó para um lar de terceira idade, Pedro descobre na velha casa de família uma série de fotos, recortes de jornais e um diário que lhe aguçam a curiosidade e o fazem tentar descobrir o que realmente aconteceu ao seu pai na viagem que a família fez a Espanha há mais de 20 anos, da qual Pedro guarda apenas algumas recordações búzias. E nada melhor que seguir o mesmo itinerário descrito pelo pai no seu diário, procurando os sítios, os amigos dos pais e a verdade.
Esta é a premissa base do filme, e, visto assim, é muito interessante. Visto o trailer, também se fica com uma certa curiosidadeem ver o filme. Mas... sempre o raio do "mas". O filme é... parado... algo aborrecido... demasiado contemplativo, sei lá. A história é promissora, os actores são todos bons e, sem excepção, têm uma belíssima prestação (em especial o protagonista Gonçalo Waddington). Mas depois, enfim, tudo se perde num exercício demasiado estilizado, demasiado contemplativo, demasiado parado demasiado mole, a meu ver, tendo em conta a a intensidade do assunto. Há muitas cenas bonitas e que "ficam bem", mas para a história em si...pouco relevam. Enfim, interessante q.b, não é mau de todo, mas está longe de ser bom. Next!


terça-feira, maio 17, 2011

segunda-feira, maio 16, 2011

Fish!







Porque, afinal, o Natal é quando o homem quiser!

um ano

RIP

sexta-feira, maio 13, 2011

quinta-feira, maio 12, 2011

Xutos @ Ovibeja 2011









Ainda e sempre, a maior banda portuguesa!

Sta. Margarida


quarta-feira, maio 11, 2011

i want out!!!!!!!!!!!!!!!



mood for...right now....

Com amigos destes...


Lisboa é bike friendly! Especialmente a subir para o Castelo de São Jorge, ou pela Alameda da Fonte Luminosa, ou mesmo a subir para as Amoreiras! É só amizade!!!