sexta-feira, janeiro 29, 2010

Berro no Barril

Continua a haver uma seita secreta em Portugal que está, no fundo, à vista de quem quiser ver. São os "Escolhidos Para o Sagrado Direito de Não Utilizar o Sinal Luminoso Para Assinalar a Mudança de Direcção". É algo preocupante a forma como esta seita se tem vindo a propagar na sociedade portuguesa. Denoto com grande apreensão que já nos idos de 2005 dei conta do dealbar desta associação de malfeitores aqui, porém, a verdade é que "ouvidos de mercador" foi a única reação obtida. As autoridades competentes nada fizeram. O Governo continuou preocupado com coisas que não interessam como os Magalhães, o défice, o casamento gay, quando deveriam estar a combater activamente o poderio daquela seita. A arrogância dos membros da dita cresce a olhos vistos e não são raras as vezes em que um honesto e incauto cidadão motorizado se vê confundido na estrada por meio da torpe acção daqueles energúmenos. Quantos de nós, normais, não ficámos já parados numa intersecção, devidamente imobilizados pois na via principal onde queremos entrar circulam uma série de veículos, apenas para ficarmos a olhar feitos bois para um palácio, quando, no último segundo, os ditos veículos viram para a rua onde nós estamos pacientemente aguardando? E a confusão gerada por tais biltres nas rotundas?Pois. Começa a ser um pão nosso de cada dia. E isso tem de acabar. Não proponho aqui a instalação de canhões anti-aéreos ou mísseis em cada viatura. Seria por demais e propenso a exageros decerto. Mas talvez, quiçá, um sistema de pesos que se limitasse a esmagar competentemente os ditos membros daquela seita. Algo que se assemelhe a um piano de cauda a ser largado em cima dos supra mencionados veículos. É uma ideia. Com tantos F16, submarinos e fragatas que se compram à desgarrada, bem que se podiam adquirir uns helicópterozitos de carga.
E isto rápido, porque no horizonte vejo já a "Secreta e Sagrada Maçonaria dos Estacionados Alegremente nas Rotundas", a "Liga Extraordinária dos Estacionados em Segunda Fila Enquanto Defeco Nos Outros" e a "Associação de Apreciação dos Nobres Artesões do Mister de Estacionar no Passeio". Embora em relação a estes últimos não possa falar muito....
Há que combater activamente isto meus senhores. É absolutamente essencial que não caiamos nas garras e nos lobbies desta corja de piratas. Já nos basta o que a "Honorável Guilda dos Peões Radicais Que Se Atiram Para as Vias Sem Antes Demontrarem Que O Vão Fazer", e os membros do "Clube do Sou Condutor de Pesados e Veículos Longos e Domino as Vias", nos andam a fazer já. Medo.

quinta-feira, janeiro 28, 2010

Orphaned Land

The Never Ending Way of the Orwarrior

Prematuro talvez tendo em conta que estamos apenas em Janeiro. Mas que se lixe. Disco do ano! E o que é melhor: duas oportunidades para ver ao vivo neste ano. Portanto lá fiz eu algo que não fazia há muito tempo (talvez desde 2006 com o último de Iron Maiden): pus-me a caminho para Lisboa para comprar um disco no dia de lançamento e numa joja que não a omnipresente FNAC. Trânsito e frio e outras maleitas enfrentadas e o dito artigo devidamente adquirido. Ora pois.


quarta-feira, janeiro 27, 2010

Blues Brothers

"We're on a mission from God"

terça-feira, janeiro 26, 2010

Moonspell



Grande concerto de Moonspell. Grande banda. Não me lixem! Pode-se não gostar, pode-se achar aborrecido, pode-se achar barulhento, pode-se achar uma salganhada. Mas que são uma grande banda são. E um bom motivo de orgulho. E este concerto na FIL de encerramento da tour de suporte do "Night Eternal" foi mais uma prova disso.
"Foi o melhor concerto que vi!" disse eu. O jovem Raimas teve a amabilidade e a memória de me lembrar que eu tenho dito sempre isso no fim dos últimos concertos que vi de Moonspell: no Coliseu, em Oeiras, em Saragoça e outros quiçá que já não me lembro, pois já perdi a conta das vezes que já os vi, desde o mítico concerto no Sacavenense no princípio dos anos 90. E tive de concordar. E a razão é simples: os Moonspell não desiludem (ok, a era do "Buterfly Effect" não me agradou nada e teve como efeito eu desligar-me um pouco da banda. Mas felizmente foi uma fase) e, ao vivo muito menos. E é sempre bom ver a satisfação estampada nos gajos por poderem tocar na terra natal, coisa que nem sempre acontece com frequência.
Em boa verdade o som dos Moonspell é muito difícil de categorizar, de compartimentar, de catalogar. É uma mescla de várias coisas, vários estilos, várias influências, com uma boa dose de portugalidade. "Lusitanian Metal", o título do recente DVD parece dizer tudo...
Enfim...de certeza que haverá quem diga que é uma banda da moda....mas se querem saber, a verdadeira moda cá nesta "aldeia" é deitar abaixo quem trabalhou e teve sucesso.


Alma Mater




Full Moon Madness


Os Senhores da Guerra



Everything Invaded




"At Tragic Heights"
"Night Eternal"
"Finisterrae"
"Memento Mori"
"Southern"
"Soulsick"
"Opium"
"Herr Spiegelman"
"Invaded"
"Scorpion Flower"
"Luna"
"Nocturna"
"Magdalene"
"Vampiria"
"Mephisto"
"Alma Mater"
----------------
"In and Above Men"
"From Lowering Skies"
"Blood Tells"
"Os Senhores da Guerra"

"Full Moon Madness"



segunda-feira, janeiro 25, 2010

The Road


"The Road" foi baseado no livro do mesmo nome de Cormac McCarthy, o mesmo que escreveu "No Country For Old Men", aclamado filme de 2007. Aclamado, mas não por todos. É um bom filme, mas houve qualquer coisa que falhou ali, para mim, pelo menos. Seja como for, isso não acontece com esta outra adaptação.
"The Road" é uma pequena pérola brilhante em toda a sua simplicidade e crueza. É um filme pesado sim, muito cinzento (e não apenas na fotografia), algo incómodo e quase cruel. Precisamente por toda a simplicidade e dureza com que apresenta a Humanidade, reduzida ao seu mais básico instinto, a sobrevivência.
A história resume-se em breves linhas (e isto não significa que o filme não tem história!): num Mundo pós apocalíptico, pai e filho viajam em direcção ao sul e à costa em busca de uma eventual e possível salvação. E aqui reside muita da simplicidade: somos poupados ao ano, ao local (embora se presuma que se trate da América, claro) e, acima de tudo, não fazemos a mínima ideia sobre o que causou a destruição total da vida na Terra (não há animais, não há árvores, não há vida, salvo por uns quantos sobreviventes). Aliás, como se não bastasse, as personagens nem têm nome conhecido. Tal não é necessário, inserindo-se essa opção na ideia de "despir" a narrativa ao máximo, reduzindo-a ao seu essencial puro e duro.
Tudo isto distancia este filme dos restantes filmes-catástrofe e pós apocalípticos que por aí pululam. Aliás, basta pensar no recente "2012", que não vi, mas que facilmente se conclui ser um daqueles filmes catástrofe, repletos de efeitos especiais de encher o olho, e onde tudo acabará bem.
Nada disso aqui, "The Road" é um filme sofrido e de sofrimento. Não sabemos o que aconteceu, nem sabemos se irá haver salvação. No fundo todo o apocalipse que nos é apresentado (brilhantemente bem filmado, com a necessária contenção e pouco fogo de vista) serve apenas de pano de fundo para aquela relação entre um filho que nasceu num Mundo destruído sem conhecer outro, e um pai que faz sua missão sagrada proteger o filho e, acima de tudo, sobreviver.
Mas não se trata de sobrevivência a todo e qualquer custo. E uma vez que o filme mostra a Humanidade reduzida ao essencial instintivo, consegue eficazmente uma coisa que geralmente é altamente ingénua e redutora, mas que aqui funciona em pleno: há realmente os "bons" e os "maus", os que retêm e tentam preservar algumas das características morais e éticas do Homem, e os que abandonaram tudo para se concentrarem na mais pura sobrevivência incondicional. O pai tenta transmitir esses ideais ao filho, mesmo sabendo que isso lhes pode custar a vida naquele mundo árido.
O Viggo Mortensen continua a saber escolher os filmes. Excelente actor, mais uma vez um Óscar não lhe ficava mal dado. É, de longe a personagem mais complexa, a de um pai atormentado, mas apostado em sobreviver acima de tudo pelo e para o filho. Um everyday man tornado "super-herói", capaz de tudo pelo filho, mesmo de alguma crueldade. Muito bom.




sábado, janeiro 23, 2010

Moonspell


Vai um faduncho ó Nandito? lol


METAL DAY AT FIL, sábado, 23 de Janeiro
Na sequência do concerto de dia 23 de Janeiro, os MOONSPELL decidiram alargar o conceito e fazer desse dia um DIA DE METAL na FIL, de modo a que todos os aficionados e curiosos, possam contactar com o que é a Cultura Metal não só no nosso país, mas também internacionalmente, como a própria natureza da música e seus fãs o reclama.
Estão previstas actividades que levem o público que vai ao concerto a aparecer mais cedo, trazendo amigos e famílias, não só para presenciar o espectáculo, mas também para conviver com o que é ser Metaleiro e ser surpreendido pelas ramificações intensas do Metal enquanto cultura e a sua relação profunda com outras formas de Arte.
Entre estas actividades encontra-se uma pequena aldeia Metal, com possibilidade de compra de merchandise oficial dos Moonspell; uma conferência subordinada ao tema Metal e Escrita; uma exposição de fotografias do metal ao vivo em Portugal (3 first songs/as 3 primeiras canções) e no mundo; e a exibição de um filme ligados à cultura Metal (Global Metal) ; e no fim uma aftershow party com a presença dos Moonspell agora como DJ’s convidados.

Os Opus Diabolicum, tributo de cordas aos Moonspell, também estará por lá em actuações espontâneas com as suas versões clássicas dos temas maiores da banda.

Horários:

17h30 Abertura das Portas
18h00 Conferencia O Metal e a Escrita com:
- José Luis Peixoto (ESCRITOR)
- Henrique Raposo (Investigador universitário, Cronista do Expresso)
- António Pacheco (Editor Saída de Emergência)
- Nélson Santos (Colaborador da LOUD! Jornalista da TSF)
- Fernando Ribeiro (Vocalista dos Moonspell)

20h00 Exibição do filme GLOBAL METAL do Sam Dunn

Concerto:
22h00 Bizarra Locomotiva
23h00 Moonspell

Aftershow party:
01h00 DJ set Moonspell

quarta-feira, janeiro 20, 2010

Top 10 e tal de filmes 2009

Fazer um top 10 de filmes é, estranhamente, tarefa ainda mais inglória do que fazer um top musical. Não sei explicar. Mas sei que não é de agora. No ano passado o top 10 cinematográfico foi convertido em top 20. Eheheh. Este ano vou concentrar a coisa em 10. E, sim, já vi que vou deixar de fora uns quantos. Mas reparei também que não são os suficientes para perfazer uma lista de 20, pelo que levarão apenas a tal "menção honrosa".
Duma contagem feita a partir das entradas neste estaminé concluí que fui 45 vezes ao cinema. Acho que no ano passado fui mais. Daí haver menos material para um top20. Tenho consciência que deixei passar uns quantos, mas pronto, também ninguém me paga para ir ao cinema (isso é que era!). Seja como for, ainda é um bom número, e pelo menos a qualidade está assegurada. Acho eu, na minha modesta opinião. Ei-los portanto, sem grande paleio, uma vez que o palavreado respectivo pode ser lido nos posts respectivos, pelo que não há necessidade de maçar e incomodar as pessoas com mais tiradas pseudo-entendidas, inseridas num arrazoado atabalhoado e mal amanhado...eheh...


01. The Hurt Locker



Está aqui

02. Let The Right One In



É só clicar aqui, ena pá!

03. Happy Go Lucky



Aqui, discurso meloso e lamechas

04. Waltz with Bashir



Pois, está aqui

05. Die Welle



Shnell, klicken heren!

06. Up



Será preciso dizer outra vez?

07. Choke



Aqui dá-se dinheiro

08. Gran Torino



O que será isto?

09. Moon



Blá blá blá

10. District 9



teca teca teca

Muito bons e que entrariam no top 20:


Watchmen

Slumdog Millionaire

The Visitor

This is England

Inglorious Basterds

The Wrestler
E pronto! Até pró ano e óluâis uátch gud muves.

terça-feira, janeiro 19, 2010

heart of steel



Stand and fight
Live by your heart
Always one more try
I'm not afraid to die
Stand and fight
Say what you feel
Born with a heart of steel

segunda-feira, janeiro 18, 2010

Faith in the Blade

Under the blade
Sharpened knife
Razor's edge
A leap of faith
That cuts right through
Know nothing more
But to expect more
"Only the penitent shall pass"

Gunther Dünn

sexta-feira, janeiro 15, 2010

Bright Star

Bem, deve ser em relação a este tipo de filmes que se usa a frase "filmes com a qualidade BBC". Lembro-me sempre daquela série muito antiga que dava na TV, o "Reviver o Passado em Brideshead". Enfim, "Bright Star" é também aquele tipo de filme em que as senhoras andam com vestidos farfalhudos e chapéus impossíveis, e os senhores com fatos esquisitos, tudo muito formal e engravatado.
Ou seja, é um filme de época feito com o extremo cuidado que se espera deste tipo de filmes britânicos. Cuidado extremo na recriação do período histórico, da sociedade, do ambiente em geral. Ambiente esse carregado de um romantismo gigantesco, ou não se tratasse de um filme sobre o relacionamento amoroso entre John Keats (um dos poetas mais famosos do Romantismo) e Fanny Browne.
Que dizer? Bom, logo à partida que este tipo de filmes não faz muito o meu género. Neste em concreto pouco acontece, embora seja sempre útil conhecer alguma coisa da vida de Keats (especialmente para alguém, como eu, que nada conhecia para além do nome). Neste aspecto sim, tem alguma dose de interesse. De resto vale, e muito, pela fotografia e pelas belas imagens que nos oferece. Aliás, optei por colocar aquele cartaz em especial e não o óbvio cartaz distribuído cá pelo burgo, porque me parece que é aquele cartaz que traduz melhor o feeling do filme: muita cor, muita paisagem contemplativa, bucólica ou não.
Em suma, não é um absoluto must see, mas também não aborrece de morte. Ideal para um Domingo chuvoso em casa, diria.



quarta-feira, janeiro 13, 2010

Best 2009

01. AMORPHIS - "Skyforger"



Têm vindo a subir a fasquia lenta e competentemente. O "Elegy" e o "Tuonela" são dois dos meus álbuns favoritos de sempre. Chegarem a 2009 com tanto ainda para dar é algo digno de nota e louvor. Um álbum belíssimo, pesado q.b, mas, principalmente, cheio de melodia. Tão poucas palavras para o álbum do ano? Talvez, mas a verdade é que não se explica, tem de se ouvir.

"Silver Bride": http://www.youtube.com/watch?v=8qjiWb1O_L4

02. EUROPE - "Last Look At Eden"


Longe vão os tempos em que esta banda era motivo de algum gozo e levantar de sobrolho. Infelizmente, durante algum tempo também eu alinhava nisso. Erro corrigido há uns anos quando conheci como deve ser. Não, não são apenas a banda da "Carrie" e do "The Final Countdown". Têm muito mais. E desde que regressaram, em 2004, mostraram ter ainda mais. "Last Look at Eden" é o equilíbrio perfeito entre o bom hard rock, mais ou menos comercial, e uma abordagem mais moderna ao rock. Um álbum que custou a entrar ao início, mas q pouco tempo depois não consegui deixar de ouvir.

"New Love In Town": http://www.youtube.com/watch?v=Gbfu5t_iop0

03. WHILE HEAVEN WEPT - "Vast Oceans Lachrymose"


Isto foi uma surpresa total. Não conhecia sequer a banda, mas é para isso que servem os amigos. Boa recomendação cujo valor e interesse não pude deixar de reconhecer imediatamente. Obrigado Luís. É daqueles álbuns que requer atenção na audição, e de cada vez descobre-se um pormenor novo nas várias camadas de que a música é constituída. Um excelente “assalto” aos sentidos, uma verdadeira viagem por oceanos ora calmos ora mais tempestuosos.

"To Wander The Void": http://www.youtube.com/watch?v=HfUmhX7I4Xg

04. Dream Theater - "Black Clouds & Silver Linings"


Mais uma vez, um álbum que ouvi várias e muitas vezes assim que o obtive. E apesar de ser longo dei comigo a recomeçar imediatamente a audição após terminar. Canções fantásticas (sendo a “Wither” a mais ‘fraca’de todas), em especial a brilhante “The Count Of Tuscany”. Mas tb tem a “A Rite of Passage”, “The Shattered Fortress”, The Best of Times”, etc (e com isto enumerei-as quase todas, o que só indicia o quão alto ponho este álbum). Facilmente o melhor disco deles desde há muitos anos.

"A Rite of Passage": http://www.youtube.com/watch?v=ca2HvFxFYPw

05. PLACE VENDÔME - "Streets of Fire"


Um álbum quase perfeito. Musicalmente, liricamente, produção, músicos, etc. Diga-se o que se disser do Michael Kiske, a verdade é que ele canta bem como o caraças (termo altamente científico e conhecedor). E neste álbum canta ainda melhor que no primeiro. Aliás, em geral acho este segundo álbum uns bons pontos acima do álbum de estreia. Pronto…mais uma vez foi um álbum que ouvi até à exaustão este ano. Boa música que me fazia sentir bem. Uplifting

"My Guardian Angel": http://www.youtube.com/watch?v=voSAeEWOspM

06. HEAVEN & HELL - "The Devil You Know"


É Black Sabbath, é Dio, Butler, Iommi e Appice no seu melhor Pouco mais falta dizer. Para uma banda de “avôzinhos” foi realmente uma grande surpresa. Não que não fosse expectável, tendo em conta os senhores envolvidos. Mas surpreendeu-me ainda assim. Não é de fácil audição confesso. Exige atenção e concentração e o facto de eles se terem dado a esse trabalho, em vez de enveredarem por um caminho mais ‘fácil’, torna-o digno de figurar em todos os tops.

"Bible Black": http://www.youtube.com/watch?v=QUs3i9oCs3U

07. BE'LAKOR - "Stone's Reach"


Algo mais obscuro, que encontrei pela internet aquando do lançamento do primeiro álbum. Este é o segundo. E eu já estava devidamente informado. Como descrever? É Death Metal no sentido em que usam, principalmente, vozes grunhidas, embora facilmente perceptíveis. Tem algo de prog tendo em conta as durações um pouco maiores das canções, e tem algo de heavy metal mais tradicional nas guitarras, nos solos e intermináveis melodias. Lembra-me uma mistura de Opeth com muito de Amon Amarth.

"Aspect": http://www.youtube.com/watch?v=jK_AIC97dMM

08. SAXON - "Into The Labyrinth"


É Saxon. Pouco mais há a dizer. É difícil fazerem um álbum mau dentro do género em que se movem. Heavy metal puro e duro prá carola.

"Batallions of Steel": http://www.youtube.com/watch?v=HdcVFxlU1Tc

09. CANDLEMASS - "Death Doom Magic"


Não sou grande fã de doom metal. Acho algo aborrecidote, arrastado e lento. Mas nem sempre é assim. E os Candlemass provam-no. Muito dinâmico, arrastado q.b. sim, mas com canções excelentes. Excelente também o novo vocalista.

"If i Ever Die": http://www.youtube.com/watch?v=mJyXEk9Wli0

10. SONS OF LIBERTY" - "Brush-Fires Of The Mind"


Foi o último álbum de 2009 que ouvi. Fui ouvir no site, onde está disponível em stream e, para minha surpresa, gostei. Surpresa porque já não esperava algo tão inspirado do Schaffer. Nota-se que é um álbum composto com alguma raiva, muita energia e vindo directamente dos instintos do homem. Algo que o tipo precisava de exteriorizar, pôr cá para fora. Liricamente é sem dúvida interessante, ilustrando a grande desilusão que Schaffer, o grande patriota americano, sentiu em relação ao país onde vive. Musicalmente é a fórmula Schaffer e Iced Earth sim, mas é uma fórmula que eu não via a ser usada tão eficazmente desde o “Something Wicked This Way Comes”. Mereceu fazer parte tão somente porque o ouvi várias vezes e gosto realmente das músicas. Directo e sem grandes mariquices.

"We The People": http://www.youtube.com/watch?v=L6UuTNuJu_E
.

terça-feira, janeiro 12, 2010

Farto

Já chega. Rendo-me. Isto é um exagero e uma irritação profunda que dificulta a vida até mais não. Sim tem lados bons, mas cada vez mais os maus pesam mais. FDX. Venha a Primavera. Venha o Verão!

sexta-feira, janeiro 08, 2010

Top 10 da década?

Mas a década não são 10 anos? Isso não quererá dizer que a mesma só terminará portanto no fim de 2010? Pois. Mas seja como for, permiti-me embarcar no bandwagon geral das listas, e aceitar o desafio. Top 10 dos melhores álbuns de heavy metal (ou simplesmente 'metal', como alguns já dizem)? Ok. Tarefa muito difícil, ou não...Em bom rigor, o segredo de fazer esta lista em concreto é, exactamente, não pensar, não "escavar", nem procurar muito. É uma lista composta por álbuns que ouvi e re-ouvi e continuo a ouvir, álbuns que marcaram pela inovação, frescura ou apenas (se se pode dizer assim) pela genialidade.
Muitos ficaram necessariamente de fora, mas estes 10 foram realmente marcantes. Pronto. Sem mais delongas:

1. ORPHANED LAND - Mabool (2004)


"Norra El Norra": http://www.youtube.com/watch?v=0u-nB_C_kEs

2. GREEN CARNATION - Light of Day, Day of Darkness (2001)



"Light of Day, Day of Darkness": http://www.youtube.com/watch?v=3byTvkKnukI

3. IRON MAIDEN - A Matter of Life And Death (2006)



"Brighter Than a Thousand Suns": http://www.youtube.com/watch?v=xXiSNWImhw0

4. OPETH - Ghost Reveries (2005)



"The Baying of Hounds": http://www.youtube.com/watch?v=GgivuL3YNcU

5. BLIND GUARDIAN - A Night At The Opera (2002)



"And Then There Was Silence": http://www.youtube.com/watch?v=snwvpJ7DxyY

6. ANGRA - Temple of Shadows (2004)



"Waiting in Silence": http://www.youtube.com/watch?v=tQfMn74BQug

7. ARCTURUS - The Sham Mirrors (2002)



"Kinetic": http://www.youtube.com/watch?v=UXD24JDpGGQ

8. NEVERMORE - Dead Heart In A Dead World (2000)



"The River Dragon Has Come": http://www.youtube.com/watch?v=i30KyAYmLq0

9. PRIMORDIAL - To The Nameless Dead (2007)



"Heathen Tribes": http://www.youtube.com/watch?v=A1_b4OWqeZs

10. AMASEFFER - Slaves For Life (2008)



"Land of the Dead": http://www.youtube.com/watch?v=pTnlFnpuSzQ


E pronto. Aí estão. Para memória futura, como sempre. Top 2009? Ah, pois, falta esse...eventualmente, um dia! :D

terça-feira, janeiro 05, 2010

Born of Hope



E eis algo digno de nota. O universo Star Wars, Star Trek e Indiana Jones também se pautam por terem uma forte base de fãs, uns mais nerds que outros, e também uma série de "spin offs" e expansões de universo. Porém, verdade seja dita, nada como os fãs do Senhor dos Anéis, especialmente os dotados de meios e tecnologia para se dedicarem a fundo e com real sentido de homenagem à obra criada por Tolkien. Dois pequenos filmes que retratam episódios não abordados (ou apenas ligeiramente referenciados) nos filmes de Peter Jackson. "Born of Hope" relata o passado longínquo de Aragorn, a sua família e origens. "The Hunt For Gollum", por sua vez traz-nos os eventos imediatamente ocorridos antes da "Irmandade do Anel". O cuidado e dedicação colocados na realização são realmente impressionantes. Para memória futura.


The Hunt For Gollum



World Exclusive: The Hunt For Gollum is a 40 minute fan film, inspired by the appendicies of JRR Tolkein's classic trilogy, 'The Lord of the Rings', and made for less than $5,000.Watch the film in HD. Click MENU for SUBTITLES in various languages.

sexta-feira, janeiro 01, 2010

From The Heaven Of My Heart



Provavelmente o disco do ano. E definitivamente o "cromo" que quero mesmo arranjar para a minha "caderneta" de cromos. Já vai estando bem preenchida.