segunda-feira, agosto 31, 2009

The Quilt

Charles woke up all of a sudden with a deep grasp for air, almost as if a big sigh had found its way from the dark corners of his soul and escaped triumphantly to the outer world.
Still astounded he looked around taking a few seconds to recognize his bedroom. He wondered what time it was and his eyes wandered to the old clock on the wall but, awkwardly, it looked as if the old faithful clock was surrounded by some sort of haze or fog. It took him a few seconds more to realize he was without his glasses. "Silly old me!" he thought while spotting the old fashion spectacles in the little table next to his bed. He was still lying down and he collected all his energy to fetch his "second eyes" and put them on. "Ah!", he said outloud, blinking hard,"This is more like it!" Good morning! Hmmm...or maybe not. It's 18H30..." He laughed softly at his silliness again, and tried to decide what to do next, since he was awake anyway.
"Hmm...probably i should try and get more sleep or a bit of rest". he thought. "Or i could sit on the bed for some reading or maybe some television." But somehow he couldn't find in himself the concentration needed to read about more antics about WWII, or find the patience needed to cope with all the rubbish that went on the television. Anyway he couldn't decide. "So many decisions..."
His mind got caught and distracted by the colourful motif of the quilt he had over him. Lots of spirals and coiled shapes. So out of date nowadays. But he always fancied that quilt. He loved it from the first minute his wife Agnes knitted and sewn it together. And he especially liked those spirals embroidments, and all the coiled shapes it displayed. He used to follow those lines either with his eyes or with his fingers.
Lately, with so many time spent in his bed, he found himself observing the quilt more closely, finding it funny hot it was kind of akin to life itself. Quite a few fabrics thrown together, held by some fine threads that, nevertheless hanged tough, and lots of spirals, coils and labyrinthic shapes. Sometimes the shapes led to one another, sometimes they led nowhere, "kinda like life really", he pondered.
"Oh yes, life is a pretty funny thing. Full of these spiral moments that sometimes lead nowhere, labyrinths that may lead to dead ends, crossroads that demand instant decisions".
Decisions that constantly sprang behind every corner and turn of the sometimes easy, sometimes rocky road. "And this is the world we are thrown in...no one asked us if we wanted it, and sure as hell no one bothered to inform us about its rules. We have to figure them out along the way...and decide. A bit too touch-and-go i'd say...".
Charles was a mere human and as such he was prone to make mistakes, to take the wrong road, to make the wrong decisions. He knew it. He was aware of it almost in a painful way. At least one thing they couldn't accuse him was of being full of himself.
Now, in this particular time of his life, it came only as natural to question those decisions he made along the way. He always exercised his soul searching powers, whatever they might be, trying to determine if he did the right thing. He liked to consider himself a man of principles and, most of all, a man who fought to preserve his nature, his true self, his inner sactuary, if you're into those tacky metaphors. Preserve it from all the attacks and pressures from the outer world. He decided, or tried to decide, bearing in mind this particular trait. Compromises had to be reached sometimes of course, but nevertheless he tried. He remembered what his old swedish friend once told him: "It's a curse and a gift/blessing to have such strong moral values & determination as I do. I can't do anything about it. It's me". Charles related totally with that...he smiled realizing he missed that crazy swede.
But in reality no man is absolutely sure....doubts are bound to happen. "Was i right then and there? Did i choose the best option? Was i terribly mistaken when i took this road and not the other?"
He searched deep, as he did when he was younger, expecting to find some glitch in the system, some terrible mistake, aided by the supposed wisdom he now, supposedly too, possessed.
He came to same conclusion of always. "All i know for sure is that i tried to stay true to myself, i tried my best and gave my best. Maybe that wasn't enough, but it was all i got. Maybe i should've chosen other paths, other words, other actions here and there....but in reality i decided then and there what i saw as best for me. That's already amazingly good i'd say. Maybe i felt too different too many times. Maybe too many people expected something different or even more from me. But i did and gave what i could. And, God, if you're there, i really feel confortable with that. I don't want to sound arrogant, or all knowing, but i really feel confortable and i regret nothing...at least nothing really important".
A really amazing feeling of peace took over him, and he felt a bit warm for a few seconds. He knew Agnes, wherever she might be, was proud of him. He always felt that, and he knew, in some strange way, that she still was.
His attention was then distracted from the quilt as he heard his daughter Rachel telling of Peter, his grandson, because of some mischief he most certainly had goten himself into. He smiled. "Yeah, i did alright. And so will they." Still smiling he looked to a photo of Agnes over the desk and kinda winked hi eye to the woman who was the love of his life for 30+ years. "It's ok, i'm ready, save me a seat there Agnes, my dear!"
And slowly, peacefully, with a smile in his old wrinkled face, faded away.



He had a rare gift Joe. He knew his place in the world. He found wonder in simple things. He lived in the moment like a child...Thats a rare gift in a man".
(in: "Flashbacks of a Fool" by Baillie Walsh)



Gunther Dünn

.

domingo, agosto 30, 2009

Ermal

E para encerrar a "época" de festivais, eis o Ermal. Já posso dizer que fui a todos os "grandes" festivais de Verão de Portugal. Este, como é óbvio, apresenta motivos de interesse acrescidos. Não só o local parece ser belíssimo, como também o leitmotiv é-me...digamos, mais apelativo. Quatro anos de hiato e eis que regressa o festival da Ilha do Ermal, desta vez totalmente dedicado ao heavy metal. Ainda assim o guito escasseia, pelo que só comparecerei hoje. Mas também...valha a verdade e sem desfazer noutras excelentes bandas presentes nos outros dias (Artworx, Firewind, Heavenwood, etc), é este o dia mais forte. Angra logo à partida. Uma das melhores bandas, senão A melhor banda brasileira actual (fãs de Sepultura, perdoem-me, mas nunca achei grande piada), que já lançava um novo álbum. Mas para já vai dar para matar saudades.

E depois...a verdadeira "cereja no topo". Blind Guardian, pela primeira vez em Portugal (como já estou farto de ouvir na Antena 3 ehehe). A banda mais esperada certamente e a que vai "arrastar" mais gente ao Minho. Uma das melhores bandas de sempre, sem dúvida. Será a quarta vez que os vejo desde 2001 e sempre foram concertos incrivelmente irrepreensíveis, pautados pela mestria intocável dos músicos (aquela dupla de guitarristas...omg!) e pela simpatia extrema do vocalista Hansi Kursch. Siga!




E pronto. "Já tens idade para assentar e deixares-te dessas maluqueiras!" dizem as comadres. Pois é, já tenho. Mas enquanto não consigo assento, deixem-me "voar" para longe.

.

sábado, agosto 29, 2009

sexta-feira, agosto 28, 2009

siga

Xutos em Corroios? À borla? Montanhas de gente, confusão desgraçada e pisadelas?

'bora.

.

Synecdoche, New York



err...
wow...
esquisito...muito esquisito mesmo....mais ainda do que a esquisitice habitual do Charlie Kaufman.
e como imagens valem mil palavras, eis algumas imagens que me saltaram à lembrança enquanto via o filme:











Nem sei bem que diga sobre este filme. Primeiro e mais importante que tudo: ISTO NÃO É UMA COMÉDIA, independentemente da forma como o filme esteja a ser distribuído, independentemente dos trailers e, acima de tudo, independentemente dos sorrisos ou mesmos risos que surgem aqui e ali durante o filme (não são mais que produto do nervoso miudinho e desconforto generalizado que este filme provoca).
Dito isto, o filme É, de facto, estranhíssimo. Charlie Kaufman, como se sabe, não é leigo em matéria de "esquisitices". Escreveu o "Adaptation", "Eternal Sunshine Of The Spotless Mind", "Human Nature" e o "Being John Malkovitch", todos excelentes filmes e todos um prodígio em termos narrativos e de argumento.
Desta vez tomou as rédeas todas e escreveu e dirigiu pela primeira vez. Ou seja: carta branca a toda a sua alucinação paranóica.
É um filme difícil, perturbador, paranóico e cansativo. É um filme que exige muito do espectador. E se isso é interessante agora, horas após o ter visto, tenho de confessar que enquanto o via, me fartei. Especialmente na parte final em que a alucinação se torna de tal forma intensa que ficamos com uma sensação de desorientação total, tipo como no "Relatividade" do Escher ali em cima. Há algo de David Lynch num filme em que o personagem principal tem problemas em reconhecer a passagem do tempo, passando a sua desorientação para o espectador. Talvez não seja tão onírico com os filmes de Lynch, mas está lá o carácter exasperantemente labiríntico de uma espiral dentro de outra espiral interminável. Tipo as bonecas russas. Há camada após camada após camada. Ao ponto de, às tantas, se perder completamente o fio à meada.
Caden Cotard é um dramaturgo hipocondríaco e miserável (aos seus olhos) que à ideia de nunca ter feito nada marcante na vida junta a convicção de que está (sempre) prestes a morrer devido a uma qualquer doença grave. Para tal, lança-se no seu projecto mais ambicioso de sempre: encenar uma peça baseada na sua vida. A vida inteira, completa com centenas de actores, figurantes e uma réplica de NY construída num mega armazém em...NY, acaba por se tornar a sua peça, a sua obra de arte, tal como Piero Manzoni tornou o Mundo inteiro a sua obra ao colocar um pedestal ao contrário no chão.
Em determinado momento a peça, ou os ensaios da dita, acabam por reflectir em tempo quase real os verdadeiros acontecimentos da vida de Cotard, acabando tudo por se misturar de forma intricada. Há Caden Cotard, há o actor que desempenha Caden Cotard na peça, há o actor que desempenha o actor que desempenha Caden Cotard e assim por diante. Puxado sim, muito puxado...é a primeira vez que vejo o fenómeno da "recursividade" tão bem aplicado sem ser em imagens estáticas.
Bom...gostava de poder dizer que é um filme excelente. Mas não consigo. É muito interessante a nível conceptual e tem momentos muito bons. Mas enquanto um 'todo'...enfim, é demasiado custoso ver. E sim, estou consciente que é daqueles filmes que não entram à primeira e, provavelmente, requerem mais visionamentos para conseguirmos abarcar o seu sentido completo....mas em boa verdade...não tenho força anímica (jargão futebolístico, ena) para voltar a vê-lo....




.


quinta-feira, agosto 27, 2009

Blackfella/Whitefella

Midnight Oil. Está na hora de voltar a falar deles. Este, este e este já foram escritos há muito tempo realmente. Pouco, é verdade, pelo que está na altura de reafirmar o meu estatuto de maior fã dos Midnight Oil do país (ok...provavelmente). Não há necessidade de discorrer novamente sobre o álbum "Diesel & Dust". Corro o risco de me repetir ad aeternum. Basta dizer que é um dos melhores álbuns de pop/rock de sempre, para mim pelo menos. Músicas ultra melódicas que se agarram aos pavilhões auriculares com Super Cola 3 e letras inteligentes e interessantes. Do melhor.
Sempre políticos, sempre activistas/provocadores, sempre social e ambientalmente conscientes, em "Diesel & Dust" parece que sobem uns degraus nessa escadaria. Mais directos e conscientes não tinham sido. E agora finalmente percebo a génese deste disco extraordinário.
Imediatamente antes da elaboração e gravação deste disco os Midnight Oil participaram duma digressão única na história da música. Juntando-se à banda aborígene
Warumpi Band percorreram o árido "outback" australiano, tocando em salas minúsculas, ao ar livre, ou onde quer que desse, para várias comunidades ou tribos indígenas, condenadas a viver na miséria e na doença, afastadas da mesma civilização que os condenou. Foi esta digressão estranha, kilómetros atrás de kilómetros em estradas poeirentas, tocando umas vezes de dia, outras de noite, umas vezes para muitos, outras vezes para poucos, encontrando a realidade aborígene no terreno, sem apelo nem agravo, que os levaram a escrever um álbum como "Diesel & Dust". Imediatamente antes a canção "The Dead Heart" dava o mote. Mas é mais fácil passar a citar agora:

Em 1985 a comunidade aborígene Mitijula, os legítimos e tradicionais proprietários do maior monolito rochoso do Mundo, o rochedo Ayers ou Ululu, na sua designação tradicional, pediram aos Midnight Oil que escrevessem uma canção para um pequeno filme que a comunidade planeava realizar sobre a devolução daquele local sagrado aos aborígenes.
Após uma longa campanha, o rochedo Uluru foi oficialmente devolvido a 26 de Outubro de 1985. Das três canções oferecidas aos aborígenes, estes escolheram "The Dead Heart" dos Midnight Oil.
Posteriormente, em 1986, os Midnight Oil foram convidados pelas Comunidades Aborígenes da Austrália Central para fazerem uma digressão com a lendária banda aborígene Warumpi Band. Realizaram concertos, falaram com os anciães das várias comunidades e viram a ocupação europeia da Austrália através dos olhos dos seus habitantes originais. Foi isto a "Blackfella/Whitefella Tour".
A partir da experiência da digressão no deserto a banda escreveu canções sobre a luta pelos direitos à terra do povo aborígene e a sua identificação espiritual que eles e outros povos indígenas, como por exemplo, os índios norte americanos, partilham. Uma relação que a sociedade ocidental perdeu completamente de vista.
Foi a experiência colectiva mais excitante, reveladora e, no fim, também algo triste.
Encontrámos pessoas reduzidas a viver debaixo do descartado pelo Ocidente, padecendo das doenças ocidentais, viciados em petróleo e alcoolismo...e a serem conduzidos por idiotas burocráticos.
Mas ao mesmo tempo fomos expostos ao lado positivo da cultura aborígene. Há ainda certos pontos da viagem que ainda não consegui assimilar como deve ser.
É difícil explicar estas experiências a outras pessoas. Não podem ser postos inteira ou adequadamente em filme ou em palavras. No entanto, o que veio a resultar no disco "Diesel & Dust" é o mais próximo que conseguimos fazer de forma a transmitir o melhor possível aquilo que sentimos lá.

Rob Hirst, 1987

Esta digressão ficou para a posteridade no documentário também chamado "Blackfella/Whitefella" e que agora consegui, finalmente, ver na íntegra, graças à Legacy Edition comemorativa dos 20 anos do álbum. Nice one mates.

See, i always had this dream that this band could write an australian music which people overseas could get onto and understand, which would enlarge their vision of Australia beyond Vegemite sandwiches and kangaroo hops. Rob Hirst



BBC: Midnight Oil – A Band With a Conscience

Diesel & Dust XX Anniversary


.

quarta-feira, agosto 26, 2009

terça-feira, agosto 25, 2009

Nunca é demais recordar...



...principalmente quando constantemente sou recordado disso, mesmo quando não quero. "Life's a bitch...and then you die", lá diz o outro. Também há quem diga singelamente: "c'est la vie"....gosto mais do carácter sardónico e fleumático desta última. E sim, porque não dizê-lo? Hoje sinto-me especialmente sozinho. E por vezes é óptimo escrever estas palavras. Vê-las escritas. Lê-las. Pronunciá-las. Sem rodeios, sem posts enigmáticos ou dúbios ou piscadelas de olho daquelas que "para bom entendedor basta". Não, é tão simples como o que foi escrito. E não visa provocar nenhum efeito ou resultado, a não ser o simples...não direi prazer, que não o é, mas vá lá, um certo alívio em ver uma verdade tão simples escrita, com todo o efeito catárctico que isso possui. Obrigado por me teres feito recordar destas verdades simples Verónica. Bom. Já chega. Por este andar já me confundo todo. Não tarda a dislexia entra ao barulho e aí é que vão ser elas.

.

brave

When i was a child i used to think that being brave meant that you had to take action... that to have a dream or get forward in life you needed courage.
But the only thing you need courage for is for standing still.

(in: "Flashbacks of a Fool", by Baille Walsh)
.

segunda-feira, agosto 24, 2009

domingo, agosto 23, 2009

a rare gift

.
He had a rare gift Joe. He knew his place in the world. He found wonder in simple things. He lived in the moment like a child...That's a rare gift in a man.


(in: "Flashbacks of a Fool" by Baillie Walsh)

.

paintings in the sky

sábado, agosto 22, 2009

Band of Horses - The Funeral


O R. fez o favor de me mandar um video sobre as proezas diabólicas de um "artista da bicla". É realmente um video espectacular; não tanto o video, mas sim o que o tipo faz com a bicicleta e para onde a consegue levar. É uma espécia de 'parcour' ciclista. E eu, que até nem sou muito dado a apreciar e admirar este género de coisas (obrigado R. seja como for, claro), tenho de reconhecer que fiquei bastante abismado com as proezas do gajo.
No entanto, a música que acompanha o pequeno video ainda me impressionou mais. Não foi preciso batalhar muito para descobrir a nome da banda e da música....lol....seja como for ali fica, para MEU bel-prazer, o video oficial da música. E, pronto, vá, aqui em baixo o video do maníaco da bicla, Danny MacAskill de seu nome. :D



E depois querem-me fazer crer que a música pop de hoje em dia não vale nada e que "nos anos 80 é que era". Tenham paciência meus amigos, mas agora também há música pop muito boa. Mas é como sempre: é preciso saber procurá-la. Dizer que a música pop actual não vale nada por causa dos Justin Timberlakes, Britney Spears e quejandos é o mesmo que dizer que os Linkin Park, Machine Head, Lamb of God e Slipknot são as únicas bandas de metal actualmente existentes. O que é um erro manifesto...

.

sexta-feira, agosto 21, 2009

quinta-feira, agosto 20, 2009

Ridi Pagliaccio




Recitar! Mentre preso dal delirio,
non so più quel che dico,
e quel che faccio!
Eppur è d'uopo, sforzati!
Bah! sei tu forse un uom?
Tu se' Pagliaccio!

Vesti la giubba,
e la faccia infarina.
La gente paga, e rider vuole qua.
E se Arlecchin t'invola Colombina,
ridi, Pagliaccio, e ognun applaudirà!
Tramuta in lazzi lo spasmo ed il pianto
in una smorfia il singhiozzo e 'l dolor, Ah!

Ridi, Pagliaccio,
sul tuo amore infranto!
Ridi del duol, che t'avvelena il cor!
.

quarta-feira, agosto 19, 2009

terça-feira, agosto 18, 2009

segunda-feira, agosto 17, 2009

E noite também

3:00 AM, Disco 2001, Autódromo do Estoril. Tudo doido! LOL Já há uns bons anitos que não ia à discoteca 2001. Fica algo fora de caminho. Mas vale sempre a pena. É dos sítios mais fora deste Mundo. A começar pelo local e a acabar na fauna variadíssima e diferente, tão depressa se encontra um tipo das barracas, como um tio de Cascais. O melhor é mesmo a música...como esta não há outra, isso é mais que sabido.






domingo, agosto 16, 2009

Belo dia






Esteve-se bem, muito bem. Podia habituar-me à boa vida realmente. Obrigado pelo convite P e S. :)

quinta-feira, agosto 13, 2009

St.Nikolai-Kirche

Estávamos no Metro a caminho do centro de Hamburgo quando a certa altura a conversa derivou para a II Guerra Mundial, e para os bombardeamentos que a cidade sofreu. Conversa em português, claro. Mas alguns nomes apareciam de forma bastante óbvia "Luftwaffe", "Goëring", etc etc. O que me levou a pensar o quão incómodo isso poderia ser para os alemães que viajavam connosco na mesma carruagem. Preocupação inútil claro e que teve apenas alguns minutos de vida. Fez-me lembrar aquele episódio do "Fawlty Towers" no qual um trio de alemães se hospeda no infame hotel e o gerente Basil Fawlty avisa o staff para evitarem a todo o custo qualquer referência à guerra ("don't mention the war!!"), com medo de melindrar os hóspedes. Claro que, na sua costumeira forma trapalhanoa acabou a imitar o tio Adolfo e a andar em passo de ganso (como só o John Cleese sabe). Mas adiante que isto são outros quinhentos.
É uma preocupação que já deve ser irritante. O estigma nazi sobre os alemães ainda deve ser algo forte, mas penso que é algo com que eles aprenderam já a viver e a aceitar, como parte essencial e importante da sua história.
Bom, dito isto tinha obviamente alguma curiosidade acrescida em cirandar pelas ruas de Hamburgo que, uns meros 60 anos atrás, mais ou menos, mais não eram do que pilhas de destroços e carcaças de edifícios. A construção foi rápida e eficaz, como já disse. Mas consegui dar com o único sítio que não foi propositadamente reconstruído. A igreja de São Nicolau, ou o que resta dela.
Obviamente a história da igreja remonta a séculos e séculos atrás, começando no século XII quando uma capela dedicada a São Nicolau foi construída no local. Um século mais tarde começou a ser construído um edifício maior e mais sólido cuja base, com mais ou menos alterações, remodelações ou expansões, perdurou até ao século XIX. A torre, um dos ex libris da cidade foi erigida no século XVI. Em 1842 o edifício foi totalmente consumido no grande incêndio que grassou em Hamburgo. Os trabalhos de reconstrução começaram imediatamente, terminando em 1863, após uma sucessão de projectos. A torre foi terminada um ano mais tarde sendo, durante alguns anos, o edifício mais alto do Mundo. Ainda hoje é o segundo edifício mais alto de Hamburgo, a seguir à torre da televisão.
Tal imponente característica foi contra producente durante a Segunda Guerra Mundial, uma vez que os pilotos aliados usavam a torre como ponto de referência nos bombardeamentos exaustivos a que submeteram a cidade. Eventualmente, a própria igreja foi bombardeada, em 1943. Sofreu graves danos estruturais mas manteve-se de pé.
Após a guerra a reconstrução foi ponderada, mas optou-se por demolir a já muito debilitada nave, deixando intacta a torre. A perda de um edifício de tal ordem foi lamentada por muitos, mas a verdade é que no estado caótico em que Hamburgo se encontrava no pós guerra, a reconstrução da igreja não foi considerada uma prioridade.
A torre e restantes ruínas foram então deixadas como estavam, servindo como um enorme memorial contra a guerra. Os restantes destroços foram usados para solidificar as margens do Elba.
E assim foi ficando até 1987 quando a cidade tomou consciência que, mesmo se tratando de ruínas, necessitavam de certos cuidados. Foi assim constituída uma fundação dedicada exclusivamente à manutenção e gestão do local. A dita fundação restaurou o possível, dotou o local com algumas infra estruturas, tendo em 1983 sido instalado o carrilhão de 51 sinos.
Em 2005 foi instalado um elevador que leva os visitantes ao topo da torre. Infelizmente havia alguma gente à espera para subir e eu optei por usufruir do sítio cá embaixo e depois partir para outras paragens e ver outras coisas. No entanto, se algum dia lá voltar subirei de certeza.
É algo estranho entrar no espaço que resta da igreja. Especialmente quando não se sabe muito bem onde fica situada (bela porcaria de mapa ó senhores do Etap!) e quando se vem a andar por ruas elegantes ao longo (e por cima) de vários canais. De repente damos com aquilo que parece, ao início uma capela muito pequena. Qual quê. São apenas os restos que ainda estão de pé. Situada na Rua Willy Brandt, uma artéria com imenso tráfego, o local da antiga igreja é um sítio de calma e paz absoluta. Um sítio realmente parado no tempo. Enquanto que, literalmente, à volta dela tudo cresceu, edifícios modernos, canais e pontes, avenidas movimentadas, ali respira-se um silêncio e um respeito quase fantasmagóricos. Com alguns turistas a circular em silêncio por ali. O pequeno jardim com árvores frondosas também ajuda a este sentimento de 'bolha temporal'. E em especial a singela escultura "Prüfung", que em português será qualquer coisa como "A Provação", também contribui para o ambiente mais "pesado". Colocada ao fundo, numa parede ainda intacta, quase num nicho protector, é impossível não nos sentirmos atraídos para ela. Só para nos sentirmos ainda mais comovidos do que já estávamos.
A escultura foi criada por Edith Breckwoldt, artista natural de Hamburgo, para o memorial de Sandbostel, na Baixa Saxónia. Sandbostel era onde, até 1945, estava localizada um dos maiores campos de prisioneiros nacional-socialistas. Mais de 50.000 pessoas de todas as nacionalidades encontraram aí a sua morte. O pedestal é feito com pedras vindas dos barracões dos prisioneiros. Sandbostel foi também a última paragem para cerca de 10.000 prisioneiros do campo de concentração de Neuengamme, em Hamburgo (info afixada no chão perto da escultura).
Não se encontram (ou eu não encontrei pelo menos) mais referências a este período da história alemã na cidade. É realmente uma cidade nova, reconstruída dos destroços de 1945 quase de raiz. Mas também não era preciso mais, o impressionante memorial que é a St.Nikolai-Kirche é mais do que suficiente e prova que os alemães, apesar do estigma ser ainda muito presente em termos históricos, estão realmente a aprender a viver com ele e, em certa medida, a ultrapassá-lo.





.