quarta-feira, julho 30, 2008

cromo repetido ou talvez não



I promise you will get old
I promised you everything
To protect you wherever you go
I'll give you this diamond ring

Just promise you will remember
A promise should last forever
Right up to the dying embers
Of a fire that burns so slow

It's a different day everyday
Don't want you to walk alone
But how long we carry on
When all of these things have gone

Just promise you will remember
A promise should last forever
It's the last of the dying embers
Of a fire that burns so slowly

It's a beautiful thing to do
Sometimes you just have to walk away
Remember I do love you
Have courage in what you say

Just promise you will remember
Promises last forever
Still left of the dying embers
The fire that burns so slowly

Sometimes you just have to walk away
Sometimes you just have to walk away
Wishing today was yesterday
Yeah, sometimes you just have to walk away


.

Electric Palm Tree



.

Gamma Ray @ Kobetasonik

Real World



Rebellion In Dreamland



Send Me A Sign





.

terça-feira, julho 29, 2008

Alexandra

Interessante e diferente filme este. Bastante parado e contemplativo...é preciso estar no estado de espírito certo para o ver. Foi ontem. E que excelente filme. À primeira vista nada acontece aparentemente. A história é surpreendentemente simples. Alexandra é uma respeitável idosa que viaja uma longa distância até à Tchétchénia (nunca tal é dito, mas não é difícil supor isso) para visitar o neto, um oficial aí estacionado. O filme mostra parte da viagem e respectivas agruras inerentes e, principalmente, a rotina de Alexandra num campo militar, debaixo de um calor oprimente e sob o olhar perplexo dos soldados. Olhar perplexo, mas também cuidadoso e carinhoso, uma vez que a dado passo todos a devem sentir como a sua avó no meio daquela situação desagradável. E é ela que muitas vezes, mesmo revelando ser e ter sido uma mulher muito dura, tem uma palavra de apoio e encorajamento, quase como se a própria encarnação da "Mãe Rússia", tão querida aos russos, estivesse ali entre eles. Uma mãe cansada e a precisar de cuidados, mas ainda com forças para tratar dos seus filhos. E é por isso que a sua autoridade acaba por dominar o campo, dominar a disciplina militar, dominar todos os soldados que lhe deferem um respeito quase temeroso.

Por isso, sim, para mim é um filme bastante alegórico. A crítica à guerra existe claro, mas é subtil e discreta. O verdadeiro enfâse do filme está na humanidade, nas relações humanas e na capacidade das pessoas se compreenderem umas às outras. É um filme, no fundo, sobre o que de melhor há em cada uma das pessoas. Para Alexandra nada é mais natural do que ir ao mercado de uma terra 'inimiga' dos russos e encontrar pessoas como ela, embora do outro lado da barricada. Mas pessoas iguais. É um filme sobre pessoas, segundo Sukorov, e sobre o facto de, no fundo, a coisa mais importante para uma pessoa são as outras pessoas e que não há valores maiores e melhores que a bondade, compreensão e calor humano. Enquanto uma pessoa viver há sempre uma oportunidade de corrigir erros e tornar-se uma pessoa melhor. E em certo sentido a viagem de Alexandra faz parte disso: mesmo com a provecta idade que tem, sacrifica-se para encontrar o neto.
Não se trata de um filme político...não tece considerações, opiniões, pontos de vista. Não toma lados, nem pede ou força o espectador a tomá-los. Apenas lhe pede que observe, absorva e conclua por si próprio. No fundo...é um filme sobre esperança.

A única pena que tive foi o facto de a tradução portuguesa ter sido feita a partir da tradução inglesa...durante o filme estamos limitados às legendas e não pude deixar de pensar que, mesmo não percebendo russo, muito se estava a perder na tradução. Tradução de tradução ainda por cima. Mas ainda assim é bem recomendável.

.

segunda-feira, julho 28, 2008

Rokia Traoré

Rokia Traoré in Wikipedia

Site Oficial

Entre a sucessão de milagres que é a produção musical do Mali, este é um dos mais extraordinários. Com mais de Joni Mitchell do que de Oumou Sangaré, Rokia Traoré é, no talento e na sua própria figura (cabelo curto, guitarra a tiracolo), uma cantautora que derruba todos os estereótipos da “diva africana”. Filha de um diplomata, teve oportunidade de viajar e isso sente-se. Conhece os "griots", mas também o jazz, a música clássica, o rock, os blues, a música indiana. Tudo isso está nas suas canções, pérolas de depuração acústica, em que a delicadeza não se confunde com fragilidade. Desde o seu primeiro disco, “Mouneïssa” (1998), que é amada por público e crítica. "Wanita" (2000) foi premiado pela BBC e eleito álbum do ano pela fRoots. O quase perfeito “Bowmboï” (2003), que contou com a colaboração dos Kronos Quartet, foi novamente premiado pela BBC. “Tchamanché” (2008) entra sem complexos nos blues e no rock (toca a guitarra Gretsch amada pelas bandas de rockabilly) e mostra como nunca que Rokia é, já hoje, uma das mais originais cantautoras da música mundial.










Jornal de Notícias

Rokia é mesmo o nome da mulher afinal. Mas mesmo assim mantenho a aproximação à intensidade de um concerto rock, aqui e ali pontuado por alguns momentos mais acústicos e intimistas, uns e outros bastante intensos. Foi, de facto, o momento alto da noite, como diz ali no JN.


.

Sines 2008






Por ordem, e da esquerda para a direita:

The Dizu Plaat Jies' Ibuyambo Ensemble (África do Sul)
Koby Israelite (Israel/EUA)
Rokia Traoré (Mali/França)
Doran-Stucky-Studer-Tacuma (Irlanda/Suiça/EUA)
Jean-Paul Bourelly meets Melvin Gibbs & Will Calhoun (EUA)


Os primeiros, aqueles zulus, eram coloridos e abanavam bem a palhota, mas ao fim de duas ou três o jantar teve a prioridade lol. O Koby, aquele do acórdeão, também só entreteve durante duas ou três; a cerveja ganhou prioridade aí. Os Rokia Traoré, isso sim, grande concerto! Não sei se Rokia vem de rock, mas o feeling era parecido. Muito intenso. Já os Doran-Stucky, etc partiram do rock fazendo um tributo ao Jimi Hendrix. No entanto as versões tornaram-se demasiadamente esquisitas. Tudo bons músicos, mas aquela senhora....lol Time for more drinking! Por fim...Blues na praia com Jean-Paul Bourelly!



.

domingo, julho 27, 2008

sábado, julho 26, 2008

sexta-feira, julho 25, 2008

Jesus....

Bom...dos Watchmen já muito se falou e viu aqui, aqui e aqui, pelo que falta só mesmo o trailer. E se há trailer que promete é este sem dúvida. Para quem leu a brilhante Graphic Novel de Alan Moore, ver estas imagens só aumenta a vontade que 2009 chegue o mais depressa possível. Sim, é sabido que muitas vezes, e nos dias que correm, os trailers prometem mais do que os respectivos filmes depois cumprem....mas algo me diz que este vai ser diferente. E também é sabido que o Alan Moore se recusa terminantemente a ver o seu nome associado a qualquer adaptação cinematográfica das suas obras. O que é compreensível tendo em conta a "qualidade" da última adaptação. Mas acho que desta vez até ele iria ficar, não direi orgulhoso, mas medianamente satisfeito. :D



Excelente!!

quinta-feira, julho 24, 2008

TESLA

Kobetasonik '08

Modern Day Cowboy



Gettin' Better



Into The Now



Signs




.

YEAH II

E continuando o tema "recordar é viver", outro momento único no Kobetasonik. Helloween e Gamma Ray juntos.

I WANT OUT!



FUTURE WORLD!


\m/

quarta-feira, julho 23, 2008

WTF!?

Reacção vaso-vagal??

Síncope provocada pela diminuição dos batimentos cardíacos, que geralmente ocorre em indivíduos jovens ansiosos ou sob algum stress, ocasionada por alterações emocionais ou nervosas. As características clínicas incluem náusea, desconforto precordial, dificuldades auditivas, de visão e eventualmente respiratórias, palidez extrema, suores frios, baixa pressão arterial e perda de energia. A condição foi descrita pela primeira vez por Gowers (1845-1915). A síncope é uma síndrome de significativa relevância na prática clínica, estimada em 3% a 5% de todas as visitas em emergência e 1% a 6% de todas as internações hospitalares.
É definida como perda súbita e transitória da consciência acompanhada de perda do tônus muscular postural, decorrente de baixo fluxo sanguíneo cerebral, e recuperação total e espontânea.
É, portanto, um distúrbio do sistema nervoso e de controlo da pressão que leva o corpo a uma reação exagerada depois de uma situação de stress.

Uma síncope!? Ai o meu canário!!! LOL


.

Iron Maiden @ Via De La Plata

E já agora, porque não um recuerdo de Irôn Máiden em Merida? Pois se é para isso mesmo que isto serve.

Intro+Aces High:



Run To The Hills:



Hallowed Be Thy Name:



The Trooper:



Iron Maiden:




.

terça-feira, julho 22, 2008

James @ Marés Vivas - Moving Pictures

Tudo sobre a excelência de uns e a senilidade de outros:

Jornal de Notícias - James em grande no fecho do “Marés Vivas”

IOL Diário - Final festivo com James

Correio da Manhã - Nova enchente no “Marés Vivas”

Blitz - Enchente e invasão de palco ao terceiro dia


Alguns videos. Recuerdos.


Getting Away With It All (Messed Up):



Sit Down:



Say Something e o 'banho de multidão' do Tim:



Ring The Bells:



Oh My Heart:



Born Of Frustration:



Tomorrow:



Sometimes e de seguida o final apoteótico (e concorrido!) de Laid:





Um dos melhores concertos sim.

.

segunda-feira, julho 21, 2008

James @ Marés Vivas 2008

Merecem de facto um post autónomo. Por este concerto valeu mesmo a pena todo o sacrifício sim. E, em boa verdade se diga, pelo menos em termos de concertos geniais não me posso queixar de 2008. Depois de dois concertos fenomenais de Iron Maiden, eis senão quando sou surpreendido novamente a saltar e a cantar ao ponto de perder o fôlego, perder a voz e perder uns quilos em suor, mas, em contrapartida, a ganhar uma felicidade imensa e a satisfação de, mais uma vez, estar a presenciar uma banda que dá tudo pelo público. Nada pede, mas recebe tudo e, por isso, também o público recebe tudo. Parece tão simples e tão fácil...mas poucas já vão sendo as bandas que sabem comunicar e tocar no público sem se limitarem a "despejar" as canções. E não há coisa mais fixe nestes ambientes do que ver uma banda rendida a um público por sua vez rendido. A surpresa nos James deu rapidamente lugar a uma grande alegria pela recepção que tiveram. E ver uma banda em palco a divertir-se tanto ou mais que o público é obra! O final apoteótico e improvisado com a banda a puxar um sem número de fãs para o palco é disso bom sinal! A ver se apanho alguns videos no Youtube!










.

domingo, julho 20, 2008

Heading North





Grande viagem. E que grandes malucos. LOL. Mas valeu todo o sacrifício. Thanks F.
.

sábado, julho 19, 2008

Siga!


Há muito muito tempo, não era eu uma criança, os James vieram tocar ao Coliseu de Lisboa. Foi algures em Junho, durante as festas da cidade, talvez mesmo no Santo António, não sei. Mas a verdade é que me lembro de passar à porta do Coliseu e ficar a pensar que devia ter ido. Mas não me preocupei muito. Os James afinal não iam acabar. Wrong. Acabaram mesmo em 2001 e eu fiquei arrependido de não ter ido. Mas agora....hoje...é a vingança. Ahah.
Ah sim e os The Doors também....um bónus. :D

Those who feel the breath of sadness
Sit down next to me
Those who find they're touched by madness
Sit down next to me
Those who find themselves ridiculous
Sit down next to me
In love, in fear, in hate, in tears


I will Tim...i will.



.

sexta-feira, julho 18, 2008

better days?




Better Days

Yeah! I heard about the trouble last night on the radio
Seeing is believing now tell me do you like what you see
Cause I’ve been holding on to promises now for too many years
It’s happening all over the world to people like you and me

Things could be heaven but this feels like hell
So hold your head high cause you know I’d die
For better days

Read a story in the paper last night people living in fear
It’s easy saying nothing it’s easy just to watch things fall
But I was taught that there’s a time in your life
When you’ve got to stand proud
So tell me don’t you think that it’s time we put an end to it all

Things could be heaven but this feels like hell
So hold your head high cause you know I’d die
For better days

Everybody dreams like me and you
Everybody do what you have to do
Where you gonna turn when it all goes wrong
Living in the same scene way too long
Everybody hopes that one of these day
Everything you want’s gonna come your way
Everybody knows what they have to do
Everybody dreams like me and you

Things could be heaven but this feels like hell
So hold your head high cause you know I’d die
For better days

Bring better ways
.

quinta-feira, julho 17, 2008

quarta-feira, julho 16, 2008

Iron Maiden @ SBSR II

Mais Maiden!

Wasted Years



FInalmente!!! Grande Rui!!

Excerto da Rime of the Ancient Mariner:



The Trooper



Fear of the Dark:



DROOL



.

Iron Maiden @ SBSR

Dos melhores, senão O melhor concerto que já vi na vida. Perfeito a todos os níveis. Videos para mais tarde recordar. Eis três "medleys"... três videos que, em pouco menos de 10 minutos cada, resumem o concerto (ah! como se isso fosse possível!!). Depois ponho canções completas. Recordar é viver. Ehehehehehe

Medley 1:



Medley 2:



Medley 3:



.

terça-feira, julho 15, 2008