sábado, janeiro 26, 2008

Exaustores e extractores ligados: light them cigs up!

E eis a opinião de Denis Leary, já no princípio dos anos 90 sobre o flagelo dos fumadores e do fumo do tabaco: "SMOKE'EM IF YOU HAVE'EM!" LOL O "video" em si não tem nada de interesse, é apenas áudio. No entanto issa facilita o acompanhamento do áudio com a transcrição do 'discurso' que está abaixo e cuja leitura se recomenda. E sim, eu sei que o Denis Leary é um sacanita que roubou grande parte do seu número ao Bill Hicks, mas ainda assim eu acho-lhe piada.




5 - Smoke

I love to smoke. I smoke seven thousand packs a day, ok? And I am never fucking quitting! I don't care how many laws they make. What's the law now? You can only smoke in your apartment, under a blanket, with all the lights out? Is that the rule now, huh?! The cops are outside, "We know you have the cigarettes. Come out of the house with the cigarettes above your head." "You'll never get me copper! I'm never coming out, you hear? I got a cigarette machine right here in my bedroom. Yeah!"

Know what I'm gonna do? I'm gonna get one of those tracheotomies. So I can smoke two cigarettes at the same time. I'm gonna get nine tracheotomies all the way around my neck. I'll be Tracheotomie Man! "He can smoke a pack at a time! He's Tracheotomie Man!"

I'm looking forward to cancer, man. I want that throat cancer. That's the best kind. You know why? You get that throat cancer, you get that voice box thing. Know what I'm talking about? ..[Talking as if has a voice box].. Sure it's scary, but you can make a lot of money with a voice box. Get a voice box, walking around the streets of Manhattan, "[VB] You got any spare change?" "Ahhh!! Here's my whole wallet, get away from me! Ahh!"

Imagine a whole family with voice boxes. That'd be creepy, wouldn't it? They'd be out in that backyard everyday during the summer. "[VB] Dad, can we go to the beach?" "[VB] Yes, get your mother and the dog. We'll leave right now. Sparky, come here." "[VB] Arf Arf Arf Arf Arf Arf Arf" Ahhhh!!

Or the ultimate irony. A guy with a voice box pulling up to the drive through window at McDonald's. That has to suck, huh? "Can I help you?" "[VB] Big Mac and a large order of fries." "Stop making fun of me." "[VB] I'm not making fun of you." "I'm getting the manager." "[VB] Get the fucking manager, I don't care."

I can remember a time in this country when men were proud to get cancer, God dammit! When it was a sign of manhood! John Wayne had cancer twice. Second time, they took out one of his lungs. He said, "Take 'em both! Cuz I don't fuckin' need 'em! I'll grow gills and breathe like a fish!"

Babe Ruth, greatest baseball player to ever play the game. He had a voice box. He was the first American to have a voice box. Yeah! "[VB] This is Babe Ruth, the Sultan of Swat, the Bambino, I smoke twenty-five God damn cuban cigars a day. I had meat for breakfast, lunch, and dinner. I fucked eighteen prostitutes a night! 'course, I'm dead now. I'm up here in heaven. Lou Gehrig is up here with me. God love Lou Gehrig. Jesus Christ, poor Lou Gehrig. Died of Lou Gehrig's disease. How the hell did he not see that coming? You know. We used to tell him, Lou, there's a disease with your name all over it, pal! There ain't no Babe Ruth disease, I'll tell you that much right now. Have a hot dog and a Hummer. Go ahead, it's on me."

I don't know. Personally, I think Billy Martin said it best when he said, "Hey! I can drive!" Because we tried to be nice to you non-smokers. We fucking tried. Okay? You wanted your own sections in the restaurants. We gave you that, huh. But that wasn't enough for you. Then you wanted the airplanes. We gave you the whole God damn plane! You happy now? You own the fucking plane! I'd like an explanation about that one folks because I will guarantee you if the plane is going down, the first announcement you're gonna hear is, "Folks, this is your Captain speaking. Look, uhm, light 'em up, 'cause we're going down, okay. I got a carton of Camels non-filters, I'll see you on the ground. Take it easy." Actually, it'd be more like this, "[VB] This is your Captain speaking. Smoke 'em if ya got 'em. Rrrr Rrrr"

The filters the best part. That's where they put the heroine. Only us real good smokers know that fucking secret. Yeah, we tried to be nice to you non-smokers. We tried. But you just fucking badger us, you know? You won't leave us alone! You got all your little speeches you're always giving to us. All these little facts that you dig out of a newspaper or pamphlet and you store that little nugget in your little fucking head, and we light up and you spew 'em out at us, don't ya? I love these little facts. "Well you know. Smoking takes ten years off your life." Well it's the ten worst years, isn't it folks? It's the ones at the end! It's the wheelchair adult diapers kidney dialysis fucking years. You can have those years! We don't want 'em, alright!? And I guarantee if I'm still alive, I'll be smoking then. I'll be in my wheelchair, with my adult diapers on and my twenty-five year old non-smoking born again christian son behind me. I'll be going, "Hey! Make sure you wipe this time. I was itching all week for Christ's sake! And get me some more wippets. I'm almost out, you fucking pussy! Come on!"

Because you're always telling us, "You know, ever cigarette takes six minutes off your life. If you quit now you can live an extra ten years. If you quit now, you can live an extra twenty years." Hey, I got two words for you, ok. Jim Fix. Remember Jim Fix? The big famous jogging guy? Jogged fifteen miles a day. Did a jogging book. Did a jogging video. Dropped out of a heart attack when? When he was fucking jogging, that's when! What do you wanna bet it was two smokers who found the body the next morning and went, "Hey! That's Jim Fix, isn't it?" "Wow, what a fucking tragedy. Come on, lets go buy some buds."

It's always the yogurt sprout eating mother fuckers who get run over buy a bus drive by a guy who smokes three and a half packs a day. "Sorry officer, I didn't see him. I was too busy smoking!"


LOL


http://endor.org/leary/




.

quarta-feira, janeiro 23, 2008

A lei do tabaco e etc e tal

Contra mim falo realmente, mas não posso deixar de achar alguma piada à aparente preocupação do nosso distinto Legislador em separar claramente as águas. A regra é a proibição de fumar nos locais de trabalho, mas para além desses é também proibido fumar noutros locais, como por exemplo na Assembleia da República que é, como se sabe, um dos órgãos de soberania. E ainda dizem que os Deputados não têm consciência do que realmente andam a fazer no Parlamento.

E pronto, não tarda temos um mês já feito desta lei fascisto-higiénica, nas palavras do Miguel Sousa Tavares, ou outro que tal, e a confusão ainda persiste! Sim senhor, nada como atirar uma pedradazorra no charco, sem querer saber quem vai ficar sujo com os irritantes respingos de lama. Isso são pormenores de somenos importância, que, agora, não interessam nada. Isto está de tal maneira que chega ao ponto de ter visto um café aqui nas redondezas cujo dono, nitidamente confundido, achou por bem colocar na porta do seu estabelecimento os dois autocolantes: o vermelho de proibição e o azul de permissão!! É demais para as pobres cabeças dos fumadores! LOL

Outra coisa interessante que li algures foi que agora as típicas frases de engate ou quebra gelo do género "Tens lume?", ou "Posso fumar aqui? Queres um?", ou qualquer coisa do género, estão agora condenadas ao desaparecimento em virtude da proibição mais apertada. O pobre rapaz tímido e atrapalhado (sim, é sempre um rapaz) vai ter agora de recorrer a outros expedientes para poder encetar conversa com aquela moçoila que "ali está ao fundo".

Mas por outro lado...se fecham esta porta até é bem possível que tenham aberto uma janela! É que agora é cada vez mais comum os fumadores juntarem-se, quais animais acossados e perseguidos, nas portas de vários estabelecimentos, juntos e unidos na dificuldade. Que melhor pretexto para meter conversa e socializar com outras pessoas. Pelo menos têm todas um interesse em comum. Já não é mau! LOL


segunda-feira, janeiro 21, 2008

Today


Building it up.

.

sábado, janeiro 19, 2008

AS I AM

To those who understand, I extend my hand
To the doubtful I demand, take me as I am
Not under your command, I know where I stand
I won't change to fit your plan, Take me as I am


Um video interessante ao estilo do filme "Zidane". Aqui a câmara está centrada exclusivamente em Mike Portnoy dos Dream Theater enquanto a banda toca "As I Am". Ainda se vê o baixista lá ao fundo, mas o resto da banda está fora de ecrã. Se bem me lembro este clip é um dos que fazem parte do DVD instrutório "Drums Of Thought".


Ah...e já agora...please, DO take me as i am.


As I Am

[Lyrics by John Petrucci]

Don't
Tell me what's in
Tell me how to write
Don't tell me how to win
This fight
Isn't your life
It isn't your right
To take the only thing that's
Mine

Proven over time
It's over your head
Don't try to read between the
Lines
Are clearly defined
Never lose sight of
Something you believe in

Takin' in the view from the outside
Feeling like the underdog
Watching through the window I'm on the outside
Living like the underdog

I've been trying to justify you
In the end I will just defy you

To those who understand, I extend my hand
To the doubtful I demand, take me as I am
Not under your command, I know where I stand
I won't change to fit your plan, Take me as I am

As I am

Still
Running uphill
Swimming against the current
I wish I weren't so
Fucked
Feels like I'm stuck
Lost in a sea of mediocrity

''Slow down,
You're thinking too much
Where is your soul?''
You cannot touch
The way I
Play
Or tell me what to say
You're in the way
Of all that I believe in

Takin' in the view from the outside
Feeling like the underdog
Watching through the window I'm on the outside
Living like the underdog
I've been wasting my breath on you
Open minds will descend upon you

To those who understand, I extend my hand
To the doubtful I demand, take me as I am
Not under your command, I know where I stand
I won't change to fit your plan, take me as I am



.

quarta-feira, janeiro 16, 2008

Ah, é verdade...

...antes que me esqueça, e já que há vida fora do heavy metal, eis os discos que mais me impressionaram este ano que passou. Top 5 apenas, porque, não só o meu conhecimento dessa 'vida' não é tão profundo, mas também porque, sinceramente, não gostei de mais nenhum assim tanto que justifique uma menção:

1. RUFUS WAINWRIGHT - "Release The Stars"



Sim, apesar de tudo não ponho o "Neon Bible" em primeiro lugar. Mas tal como no outro top, ambos podiam figurar no primeiro lugar. O critério foi unicamente este: gostei mais deste álbum do Rufus do que dos anteriores, enquanto que dos Arcade Fire acho que gostei mais do "Funeral" do que do novo. Mas é um ela por ela. Curiosamente, ambos, Rufus e Arcade Fire, também ficam quase par-a-par no capítulo dos melhores concertos do ano. Memoráveis os dois, mas acho que aí, o dos Arcade Fire foi melhor e mais surpreendente.

2. ARCADE FIRE - "Neon Bible"



Segundo lugar, ou um primeiro ex-aequo, tanto faz. Talvez este álbum não seja de audição tão fácil e imediata que o anterior, mas ainda assim é fácil considerá-lo um álbum genial na música actual. Talvez o álbum mais interessante a sair em 2007. A sonoridade épica e original são de uma intensidade e originalidade estarrecedora. O concerto no SBSR foi qualquer coisa de especial.


3. MANIC STREET PREACHERS - "Send Away The Tigers"



Já vão 8 álbuns de originais e estes galeses nunca me desiludiram. Mesmo após terem perdido Richey Edwards em 1995, souberam reinventar-se na continuidade, evoluindo e progredindo ao ritmo que bem lhes apeteceu, sem quererem saber de mais nada. Uma banda de rock, quase hard rock em determinados momentos, notável pelas suas preocupações culturais, políticas, musicais e artísticas. A voz de James Dean Bradfield continua a ser uma das mais carismáticas e interessantes da música. Imediatamente reconhecível, capaz de balançar entre um tom mais doce e melancólico e outro mais duro e agressivo. E este álbum faz precisamente isso: o casamento perfeito entre o "Generation Terrorist" e o "Everything Must Go", entre a fase mais rock e a fase mais épica/orquestral. Não é uma questão de termos de volta os excelentes solos de guitarra e uma maior agressividade nas músicas, pois esses elementos nunca se tinham ido embora, mas, realmente, a enfâse está novamente neles. Também este seria facilmente um álbum de primeiro lugar, não fosse o caso de há tão pouco tempo ter tido tempo de o ouvir.

4. EDITORS - "An End Has A Start"



O álbum anterior era fixe sim senhor. Mas devo dizer que este ano, a quantidade de bandas que, inadvertidamente ou não, quiseram ser os Joy Division do Século XXI, teve o efeito de me afastar um pouco dos Editors e, até confundi-los (antes de ouvir o álbum) com outras bandas. Depois de tudo ouvido, não há cá Interpols ou She Wants Revenges que valham este álbum. Pop rock bastante interessante, excelente sonoridade nas guitarras, principalmente na "Smokers Outside The Hospital" e "Racing Rats".

5. PELICAN - "City of Echoes"



Pessoalmente já há algum tempo que a música exclusivamente instrumental não me atrai por aí além. Mas estes gajos conseguiram captivar-me com este álbum. Concedo que não é uma audição para todos os locais ou alturas do dia ou do espírito. Mas momentos há em que sabe muito bem deixarmo-nos puxar pelas melodias intrincadas do duo de guitarristas e perdermo-nos na música deles, quase como se fosse um mundo à parte. Interessante efeito para uma banda estritamente instrumental.



.

terça-feira, janeiro 15, 2008

And another.

It was a quite interesting movie. 2 and half hours went by without really noticing. It drags a bit in the middle, but eventually it takes you and keeps you well interested. It's worth seeing alone for Summer Phoenix (yes, sister of the other Phoenix's brothers) acting. It depicts the life of Esther a rather uninterested, expressionless, almost blank weird girl. The discovery of theater will change her life, for good and bad. The movie is about her struggle to succeed in that world, in the XIX century London. And in order to succeed there she had first to succeed in her life, meaning that she had to get out of her protective shell first. One can't act if one hasn't lived first. That sort of thing. It's from a french director, but set in London.
Her character is very weird but appealling. It's a movie that surprised me with its crescent suspense. The ending scenes really got me in the edge of my seat, wondering if she would pull it out or no.

http://www.imdb.com/title/tt0183056/



.

domingo, janeiro 13, 2008

Mais um

Numa cidade [propositadamente] artificial e quase inexpressiva (só reconhecemos Paris num ou noutro fugaz reflexo de uma porta ou janela que se abre), numa cidade igual a todas as outras, uma série de pessoas homogeneizadas e mecanizadas, que falam um compósito de várias línguas, cruzam-se com um 'doido' inadaptado (ou talvez não), chamado Hulot. O único que se sente fora do seu ambiente...o único que fala apenas...françês.
Curioso filme em que a storyline não tem a mínima relevância, pois o que interessa são as imagens, a ideia, os pormenores. A ver novamente sem dúvida.


sexta-feira, janeiro 11, 2008

Citizen Kane

Quando se decide ir ver um filme que é repetidamente considerado, nos últimos 50 anos, como um dos melhores, senão o melhor filme jamais feito na história do cinema, um filme que consta no primeiro lugar de incontáveis listas de "Melhores Filmes", é impossível não nos sentirmos um pouco, vá lá, apreensivos, ou, quando muito expectantes. Como abordar um filme que já foi mais debatido, discutido, dissecado e falado que sei lá o quê? Será que estaremos à altura dum filme assim? Será que iremos sequer perceber o filme? Ou pior, será que o resultado mais que proovável não será a total e completa desilusão, tipo "ah, afinal é isto..."? São muitas variáveis que convergem no espectador.

Mas não. Nada disso aconteceu. O filme é simplesmente perfeito. A todos os níveis. Ainda hoje parece algo à frente do seu tempo. Imagino como terá sido há 60 anos atrás.

.

quinta-feira, janeiro 10, 2008

Silly people!


Quer-me cá parecer que este país está a entrar por caminhos que só posso qualificar de silly. Este país, como poderiam dizer os Monty Python é governado por silly people. E que quer fazer dos restantes tão ou mais silly que eles. É a rebaldaria, o regabofe o forrobodó instalado. E ainda se falava do Santana Lopes.
Enfim, mas esta silliness está a entrar por caminhos de fundamentalismo imbecil e cretinóide. As recentes notícias que relatam a vontade de baixar o limite de velocidade dentro de algumas localidades para 30 Km/h surge plena de ridículo e de absurdo. Esta gente, que tem estas ideias é, no mínimo, bizarra.
A história dos radares foi a palhaçada que se viu e vê. O limite de 50 Km/h, a ser respeitado, apenas provoca filas de trânsito e potencia acidentes. A própria ideia dos radares é uma vergonhosa desculpa da CML obter uma receita extra. Só pode ser, pois melhor teriam andado em adoptar o sistema da Marginal, que tão bons resultados tem dado até hoje. Ah, pois é, mas esse sistema não dá 'guito', pois é.
A desculpa oficial prende-se com o facto de nos últimos anos ter aumentado o número de acidentes ocorridos dentro das localidades. Assim, a ordem dada ao povão é a de "travem cães imundos"! Dentro dos centros urbanos, zonas residenciais e espaços com "forte presença de tráfego pedonal" vamos agora poder assistir a vários desfiles e paradas de carros, pouco engalanados é verdade, mas pode ser que, se isto continue assim, as buzinas começem a funcionar.
E quem é que vai definir o que são "centros urbanos, zonas residenciais e espaços com forte presença de tráfego pedonal"? Pois, vai ser como a Lei do Tabaco, cuja aplicação e interpretação é mais complicada que um puzzle da Arca de Noé, completa com todos os animais, o Noé e a família em 89.001 peças!
É absurdo tudo isto! Como se já não fosse suficientemente parvo (não há outra palavra!) porem lombas na Rua do Ouro e na Baixa de 10 em 10 metros (locais onde é conhecido o costume dos condutores de circularem acima dos 120 km/h, claro), agora baixam o limite de velocidade. Um amigo meu diria logo isto só pode ser jogada das companhias petrolíferas. Obrigar o pessoal a circular a velocidade tão baixa, obriga a uma mudança do carro mais baixa, logo mais gasto de gasolina.

O absurdo desta gente é que consegue detectar os problemas, mas as soluções que aparecem são estúpidas. Como se todos os acidentes tivessm a ver com a velocidade. E depois...esta cultura da proibição e da limitação! Arrrgh.

Mas vamos por bom caminho vamos. Dos 30 km/h aos 0 km/h é um pulinho. E se a culpa dos acidentes é dos sacanas dos condutores que circulam à velocidade vertiginosa de 50 Km/h, mais vale é PROIBIR de todo os carros e pronto. Aliás....há que proteger os caracóis que atravessam a estrada. Milhares morrem todos os anos atropelados pelos carros.

quarta-feira, janeiro 09, 2008

American Gangster

Grande filme. A par com o "Eastern Promises", um dos melhores de 2007 sem dúvida. Filme comprido, com duas horas e meia. Mas essas horas passam tão depressa como o desenrolar da história da ascensão e queda do maior e mais ousado barão da droga do Harlem de finais dos anos 60 até aos anos 90. O Denzel Washington está igual a si mesmo: irrepreensível. Finalmente vejo-o num papel de vilão e o homem está à altura. Ele é implacável, duro, insensível, determinado e dono de uma frieza terrível. Um traficante de droga e um assassino a sangue frio impressionante. Mas é também o homem de família, o homem preocupado com os menos favorecidos, um homem apaixonado.
Talvez seja por isso que no decorrer do filme seja impossível ao espectador não simpatizar com este "mau da fita". Não se trata tanto de revisionismo ou lavagem da personalidade. A vida de Frank Lucas sofreu ao longo dos tempos uma mitificação extraordinária, conforme pude ler há tempos numa extensíssima entrevista que o homem deu a uma revista americana (cujo nome agora me escapa). Não deixa de ser estranho ver o homem, juntamente com o jornalista, fazer uma 'nostalgia trip' pelo Harlem actual e dizer que "ali foi onde despachei o x", "aqui era onde tinha a maior instalação de corte e embalagem de droga", etc etc. Portanto, acho que afinal, neste caso, o tempo tudo curou e tudo perdoou.
O Denzel Washington consegue fazer passar bem esta dualidade semi-paradoxal desta curiosa personagem, pelo que não me espantará se se começar a falar do Óscar.
Esperemos que tudo isto não faça esquecer a prestação igualmente admirável do Russel Crow, um actor quasi canastrão (sorry, não aprecio muito o estilo), que aqui consegue igualar a presença que teve no "Gladiador", também de Ridley Scott, agora reparo. Ele é o 'bom', o polícia honestíssimo rodeado por um exército de dirty cops, mas não deixa de ser inseguro e algo nervoso. Um herói realista que tem medo de fazer o que está certo, mas fá-lo ainda assim. Também não podemos deixar de simpatizar com a personagem dele, um homem normal a remar contra a maré e em condições adversas.
Não vale a pena contar aqui mais do que se passou no filme, mas segundo me constou, ainda hoje o Detective Richey Roberts e o gangster Frank Lucas são amigos. Porreiro pá.



Létslukatdatrâilér:






.

segunda-feira, janeiro 07, 2008

T10-07 - METAL

1. THRESHOLD – “Dead Reckoning”


Já há uns meses que tinha este disco como o melhor deste ano. Esperava apenas o fim do ano para confirmar a posição. Apenas dois o ameaçaram: Gamma Ray e Primordial. Especialmente estes últimos. E pronto, depois de o álbum de Primordial me ter feito, como disse, hesitar, acabei por decidir pelo “Dead Reckoning”.
Foi um álbum que me acompanhou muitas vezes ao longo destes meses, ouvia-o em casa, no carro, no leitor de mp3, nunca me cansava. O álbum anterior “Subsurface” já era muito bom, mas é com este que os Threshold dão sentido à expressão música progressiva. É que são poucas as bandas de prog que realmente conferem uma progressão visível à sua música. E fizeram-no de uma maneira elegante e ao mesmo tempo enérgica. Acho que este álbum merece tb o primeiro lugar por ser muitíssimo original no âmbito onde se insere. Por juntar habilmente à receita habitual uma série de elementos e sair no final um bolo com um sabor algo diferente.
É que trata-se de uma banda de prog metal ou prog rock, ou o que quer que seja, mas apenas um tema ultrapassa os 9 minutos. Os restantes andam pela média dos 4/5 minutos. E é um feito notável como em tão poucos minutos de cada canção, eles conseguem inserir tantos elementos interessantes. Em poucos minutos temos a complexidade e destreza que caracteriza o prog metal, mas tb a preocupação em construir um riff condutor, a preocupação levada ao extremo de conferir a cada uma das canções uma personalidade muito forte e própria.
Aqui identificam-se todas as canções de memória graças aos refrões ultra melódicos e catchy, uma preocupação nada prog tb. No entanto isso não quer dizer que seja um disco básico ou simplista, antes pelo contrário, requer alguma audição para se poder absorver tudo. Mas para mim foi audição à primeira. Mal ouvi gostei. Depois quis ouvir mais e mais para descobrir mais pormenores e aspectos interessantes. Instrumentalmente é irrepreensível e intrigante, grande secção rítmica e grandes solos de guitarra e teclas.
A voz do Andrew MacDermott tem tb um carisma notável neste disco. Mal se consegue imaginar outro a cantar estas canções, embora seja isso que ande a acontecer, com a saída daquele e o regresso do Damien Wilson. Este pode ser melhor vocalista (ou não fosse um dos runner ups para substituir o Bruce Dickinson, mas o MacDermott tinha um carisma muito especial e próprio. É pena...parece que ele saiu para ter mais tempo para a sua vida. Já devia prever que com um álbum tão bom como este, os Threshold iriam ser catapultados para um lugar mais cimeiro. Por fim, tb liricamente este álbum me atraiu. Não é conceptual, mas quase todas as canções andam à volta do tema do voo, voar, etc etc, numa espécie de metáfora da vida. Altamente recomendável. Um disco muito "orgânico" diria....entranhou-se muito bem.

2. PRIMORDIAL - "To The Nameless Dead"


Eis o verdadeiro desafiador ao primeiro lugar que há meses que estava atribuído. Estive indeciso uns bons dias entre pôr este em primeiro lugar em vez dos Threshold. Mas acabei por decidir assim. Não pq seja um álbum menos bom (aliás os álbuns do Top3 podiam ter todos o direito ao primeiro lugar na boa e sem hesitações) mas pq acabei por utilizar um critério que não assenta apenas na qualidade dos discos: só ouvi este álbum a meio do mês, pelo que, por fantástico que seja, não teve tempo para me dizer tanto como o outro. Só por isso ficou em segundo lugar...só pq tinha de haver um segundo lugar.
Esta banda em poucas palavras: intensa, pesada, melódica, hipnotizante e totalmente original!


3. GAMMA RAY - "Land Of The Free II"


Kai Hansen = Rei Midas
Tudo o que este gajo toca torna-se ouro. Mesmo o menos bom para os padrões dos Gamma Ray (como foi o caso do anterior “Majestic”) é excelente para os padrões gerais. Que dizer então de um álbum que é excelente até para os padrões dos Gamma Ray? É um gosto e um prazer ouvir este disco. Há muita reciclagem e ripanços? Pois há, mas não há ninguém que o faça melhor e mais inteligentemente que esta banda. Gamma Ray não desiludem.


4. NIGHTWISH – “Dark Passion Play”



Gostava dos Nightwish com a Tarja. Achava que a fórmula deles, não sei bem pq, se estava a esgotar (apesar de gostar do “Once”), mas havia ali qq coisa.......enfim. Qdo mandaram a Tarja embora pensei que estavam acabados. Ou se desfaziam ou se tornavam “em mais uma banda com uma esganiçada a guinchar e ganir” que por aí tanto há. Mas não. Substituíram-na por uma vocalista inegavelmente inferior em termos de técnica, mas acho que no fim acabaram por ganhar, pq, no fundo, nos Nightwish o que importa é a música e esta estava cada vez menos adequada para a Tarja, ie, menos operática e tal. Com a Anette Olzon acabam por ficar melhor. Grande surpresa tb.

5. W.A.S.P. – “Dominator”


Os WASP não fazem um álbum tão bom assim desde o “The Crimson Idol”, ou, vá lá, o “Still Not Black Enough”. Aqui acertaram na mouche outra vez! São estes os WASP que nós gostamos, rápidos e melódicos e acutilantes até ao fim. O álbum ao princípio parece pequeno, e ainda por cima tem uma reprise de uma das canções. Antes de o ouvir achei que era uma má jogada. Depois de o ouvir acho que funciona perfeitamente como está. Tem a quantidade certa de músicas e de duração. Sinceramente às vezes sabe bem ouvir um álbum onde a banda não se preocupa em encher os 74 minutos, mas sim em dar o melhor. Sometimes, less is more.

6. REDEMPTION – “Origins Of Ruin”


Mais um album de prog metal, seja lá o que isso for. Estive indeciso entre estes e o dos Dream Theater. Acabei por optar pelos Redemption porque o “Systematic Chaos” dos DT por muito bom que seja (e é, excelente mesmo), não me surpreendeu tanto como seria de esperar. Achei que era mais do mesmo. Um ‘mesmo’ muito bom, mas ainda assim o ‘mesmo’. Já os Redemption vão no terceiro álbum, tendo eu acompanhado a progressão desde o primeiro, e que progressão sim senhor. A banda é composta por desconhecidos (para mim) excepto o vocalista que é o Ray Alder dos Fates Warning. Os álbuns anteriores tiveram outros participantes (dos Agent Steel, Steel Prophet...), mas agora parecem ter cristalizado nesta formação. É um álbum de prog metal em toda a acepção da expressão. Temas longos, grandes mudanças de tempo e ritmo, etc etc...mas conseguiram ainda assim produzir alguns refrões memoráveis no meio daquela complexidade. Muitos riffs e solos, mas sem masturbação musical. É um álbum com um ambiente intrigante. Very sharp production.

7. AMORPHIS – “Silent Waters”


Estive a consultar a discografia destes finlandeses e cheguei à conclusão que sempre que eles lançaram um álbum, o mesmo figurou no meu top 10. Excepto talvez o menos conseguido “Far From The Sun”. Agora, com este “Silent Waters” voltaram a fazê-lo, na sequência lógica do anterior, e tb brilhante, “Eclipse”. O novo vocalista continua a mostrar-se uma mais valia e este álbum volta a refinar todos os elementos que fazem parte da história dos Amorphis, desde o death metal bem pesado (mas não tanto quanto isso) até ao rock psicadélico dos anos 70 (tb já não tanto como antes), bem misturado com a folk própria e tradicional da Finlândia. Ouvir um álbum deles é sermos imediatamente transportados para a Terra dos 1000 Lagos e absorver a melancolia e ambientes mais escuros característicos. Muito bom, como sempre.

8. KING DIAMOND – “Give Me Your Soul…Please”


Outra surpresa. Para mim pelo menos. É que, apesar de ouvir alguns álbuns deste senhor, tenho de confessar que não sou grande fã. Ouve-se muito bem e tal, a “vozinha irritante” não me irrita assim tanto, mas nunca me tornei grande fã. Mais uma vez fui ouvir este disco dps de tantas coisas positivas que li e devo dizer que fiquei conquistado. É excelente a todos os níveis. Mesmo a voz do King Diamond está a soar de maneira diferente. Continua a ter o seu trademark, mas parece-me mais melódica e harmónica, conseguindo alguns efeitos surpreendentes. A dupla de guitarristas então.....

9. GOTTHARD – “Domino Effect”


Bom, este foi a surpresa do ano. Depois de ter ouvido o “Human Zoo” há uns tempos, cortesia do Pedro, nunca me passou pela cabeça voltar sequer a ouvir um álbum destes gajos. É que não suportei aquele álbum. Mas tantas críticas boas aguçaram-me a curiosidade para este "Domino Effect". Acabei por o ouvir no carro do Pedro a caminho do concerto de Paradise Lost. E adorei. Excelente disco de ROCK puro e duro, como já pouco se vai fazendo. Grandes guitarradas e coros altamente catchy. Às vezes é bom não ser fundamentalista e dar uma segunda oportunidade.

10. SERENITY – “Words Untold & Dreams Unlived”


Estes gajos surpreenderam-me devo dizer. São austríacos, é o álbum de estreia e os membros da banda são totais desconhecidos. Já existem há uns anos e até já abriram para o DIO, mas este é o primeiro álbum, financiado pelos próprios e que lhes deu um contrato. Ouvi falar deles no forum dos Threshold. E já li algumas comparações entre as bandas. Pessoalmente acho que não têm nada a ver. Os Serenity são uma mistura inteligente de power metal, prog metal e algum hard rock. Mas a enfâse está posta no aspecto progressivo. Hábil mistura de partes rápidas e pesadas com momentos mais melancólicos e calmos. Melodia, muita melodia é o prato forte. É impossível não abanar a cabeça e bater o pé.

sexta-feira, janeiro 04, 2008

bom ano