quinta-feira, maio 31, 2007

RENAISSANCE


Este Renaissance, felizmente, não teve o mesmo destino do A Scanner Darkly e consegui, ainda que in extremis apanhá-lo na única sessão diária da única sala que ainda o tinha disponível. E bem que compensou. Nunca tinha ouvido falar deste filme até há umas semanas atrás quando vi o final duma pequena apresentação no Cartaz de Cinema da RTP2 (não também não sabia da existência de um tal programa).
Para quem gosta do género era impossível não ficar atraído pelo conceito. Um filme original, na apresentação, com uma história que combina o melhor da ficção científica à lá
Blade Runner com o melhor dos film noir de mistério e detectives. E o mais interessante: se neste tipo de filmes estamos habituados a ver uma New York ou uma Los Angeles futurista, agora temos a possibilidade de ver Paris. Paris em 2056. O que é sempre mais interessante pela quantidade de moumentos marcantes que a cidade tem. Lá pelo meio dos cenários (CGI claro) de tirar o fôlego lá está a Torre Eiffel, a Notre Dame, Montmartre, etc etc. Isto porque, facto pouco usual também, se trata de um filme francês. Embora a cópia que circule seja a distribuída pela Miramax, dobrada em inglês por uma série de actores conhecidos, como o Daniel Craig, Jonathan Pryce, Catherine McCormack, etc. Por estranho que pareça, preferia ter ouvido em françês, mas pronto.

Outro facto curioso é que este filme, embora apenas lançado em 2006, é muito anterior ao
Sin City, o primeiro tão propagado filme de transposição fiel de graphic novel para o ecrã. É curioso porque este "Renaissance" vai para além do Sin City, e do mais recente 300. E ainda por cima, é o único destes três que não se baseia numa graphic novel.

O tratamento quase exclusivamente preto e branco (não há intermédio, não há menos branco, ou cinzento ou menos preto) é totalmente original e obriga a uma maior concentração para que se possa perceber e absorver tudo o que se passa no ecrã. É tudo feito a computador claro, menos o trabalho de actores que existiu e foi depois "digitalizado" dando um efeito de animação quando não o é, pelo menos completamente.

E apesar de tudo isto, de todos os efeitos visuais e digitais, apesar dos cenários enormes que nos são oferecidos, apesar de toda esta festa visual, temos uma história. Um argumento que prende a atenção e se torna a peça central do filme, como sempre deveria ser. Foi o que falhou a meu ver no "300". Um excelente filme, mas que vale mais pelo visual. Aqui ficamos prendidos mesmo pelo desenrolar dos acontecimentos e queremos saber como irá aquilo acabar.

A coluna vertebral da história não é nova, afinal trata-se de uma história policial, uma história "detectivesca", mas a verdade é que é uma história propriamente dita. Apresentada numa moldura rica sim, mas com conteúdo. Muito bom.


Letsa luk to da traila:



Um pequeno clip:




PS: até fiquei com vontade decomprar um Citroën!

quarta-feira, maio 30, 2007

ACHTUNG!!!!!


Há algo neste cartaz, que eu encontrei por acaso na internet que me diverte bastante. Os desenhos são excelentes e expressivos, à boa maneira dos artísticos murais da altura do 25 de Abril. Mas acho que a adição daquele "carago!" e em especial daquele estalinista e ameaçador dedo em riste, são realmente a "cereja no topo". Muito bom. Olhem que isto não é "o da Joana!"Ehehehehehehehehehehehe.



EDIT: Para que se saiba, acabei por fazer greve. Não tanto pelas razões gerais, também importantes, mas também por razões concretas e muito particulares que me fazem sentir justificado.

terça-feira, maio 29, 2007

10



ETERNAL LIFE


Eternal Life is now on my trail
Got my red glitter coffin, man, just need one last nail
While all these ugly gentlemen play out their foolish games
There's a flaming red horizon that screams our names

And as your fantasies are broken in two
Did you really think this bloody road would
Pave the way for you?
You better turn around
and blow your kiss hello to life eternal, angel

Racist everyman, what have you done?
Man, you've made a killer of your unborn son...
Crown my fear your king at the point of a gun
All I want to do is love everyone...

And as your fantasies are broken in two
Did you really think this bloody road would
Pave the way for you?
You better turn around
and blow your kiss hello to life eternal....

There's no time for hatred, only questions
What is love, where is happiness, what is Life,
where is peace?
When will I find the strength to bring me release?

And tell me where is the love in what your prophet has said?
Man, It sounds to me just like a prison for the walking dead
And I've got a message for you and your twisted hell
You better turn around and blow your kiss goodbye
to life eternal angel...



17 Novembro 1966 ~ 29 Maio 1997

segunda-feira, maio 28, 2007

[(...)]

We're nothing but mice
Running in this maze
Always throwing dice
Little men amazed

Gunther Dünn

quinta-feira, maio 24, 2007

Tempo a mais, neurónios a menos!


Este país tem vários problemas, é mais que sabido. Alguns dos mais importantes são:

1. Há pessoas que fervem constantemente em brasas de ódio pútrido e chamas de inveja lancinante;

2. Há, depois outras pessoas, que dão crédito a estas bestas andantes;

3. A maioria das pessoas, vulgo "carneiradis molis", que não tem nada para fazer, acredita cega e piamente no que lhes é enfiado à bruta pelos olhos dentro.

Tudo isto parte obviamente daqueles primeiros que pertencem àquele segmento, ou melhor, que dão corpo àquela característica tão portuguesa do "bota abaixo". Aqui funciona assim:

a) "Se estás lá em cima e estás a ter algum sucesso, tem paciência, temos de te deitar abaixo";

b) "Se estás em baixo e sem grande sucesso, és um idiota incapaz que tem de ser deitado abaixo";

c) "Se não estás a fazer nada de momento és um preguiçoso inepto ou um cretino sentado à sombra da bananeira e, como tal, há que deitar-te abaixo".

Por isso "compreende-se" que o Gato Fedorento seja atacado (num jornal que julgava ter uma reputação de seriedade até), de terem "plagiado", "copiado", "roubado" a canção e o genérico duma pepineira qualquer francesa do tempo da Joana D'Arc. "Plagiaram" a música e o estilo da dança. Oh meu Deus! Onde é que este Mundo está a chegar!!!???? Quando um grupo de cómicos pega numa coisa caricata, levada originalmente a sério, e lhe dá o seu tratamento satírico e parodiante, quando isto acontece, dizia, deve ser certo que o Mundo está para acabar. Pois nunca tal se viu no humor.

O GF que se cuide, pois seguir-se-ão várias acções em tribunal! Então não é que eles próprios, os grandas palermas, apresentaram provas, em público e semanalmente, em como "plagiaram" e "copiaram" o Marcelo Rebelo de Sousa, o Paulo Portas, o Major Valentim Loureiro, o Sócrates (cuja mera menção dá, ao que parece, direito a ser suspenso), o Cavaco Silva, o Pacheco Pereira, o formato do Telejornal, o Paulo Bento e toda uma série de músicos cujas composiçõs originais foram grotesca e vilmente violentadas no final de todos os programas!!!!

Estamos em Portugal, onde determinadas pessoas ou grupos de pessoas quando começam a ter algum grau elevado de sucesso, de aceitação generalizada, se tornam alvos a abater. Talvez por começarem a ter esse sucesso e aceitação generalizada. Os GF fazem o que fazem muitíssimo bem. Pode não se apreciar de facto e não achar piada nenhuma, mas há que dar crédito aos moços: eles fazem-no bem. Porque é que nãop são elogiados por isso? Porque já se tornaram grandes demais e têm de ser "controlados" para ver se "baixam a bolinha", pois como é certo e sabido (?), já lhes "deve ter subido à cabeça", etc e tal, blá blá.

terça-feira, maio 22, 2007

DASSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS!

CALEM-SE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!




Ou mudo-vos a dieta para milho reforçado com raticida e antraz! Raio das galináceas sempre a cacarejar! STFU!



sábado, maio 19, 2007

Spot the differences








"Eve Of The War"

sexta-feira, maio 18, 2007

Ah pois é bébé!


Nada como acordar de manhã de pois de uma noite mal dormida, tomar o belo do banhoco refrescante e tal, para, apenas 5 minutos depois de entrar no carro, começar a escorrer um belo fio de suor pela testa. Porra! Nem 9 horas da manhã são!!!!!!!!

Aliens, extraterrestres, criaturas estranhas em geral, maléficas ou nem por isso: this one's for you! Se acham que a temperatura em Mercúrio é por demais sufocante e seca, se Vénus é demasiado irrespirável e de Marte em frente é um pouco frio, já sabem! Venham ao interessante planeta Terra, onde poderão encontrar uma temperatura decerto agradável e adequada a CRIATURAS VINDAS DO ESPAÇO EXTERIOR. Sightseeings e bronzeado garantido, mesmo que sejam homenzinhos verdes. Quanto aos irritantes habitantes humanos, not to worry! Serão grelhados por métodos perfeitamente naturais e postos à vossa disposição. Espetos não incluídos infelizmente. Tem sido difícil convencer os espécimes a fazerem-se espetar enquanto estão ao sol a grelhar. No entanto, esperamo-vos na mesma. Serão bem vindos.





.

terça-feira, maio 15, 2007

Yes, yes, i own it...

Embora não seja a Edição Especial. Seja como for, é realmente épico e majestoso. Exacto, exacto, falo da transposição deste disco para o palco, algo que sinceramente me parecia difícil senão megalómano mesmo.

domingo, maio 13, 2007

Ontem


Uma tese de um professor de Filosofia sobre lugares imaginários e um projecto para destruir a cidade foram duas das mais de 70 respostas que chegaram à associação Alkantara na sequência da pergunta "Como seria a Lisboa ideal?".

As respostas à questão lançada no início do ano pela associação Alkantara, em conjunto com a Galeria Zé dos Bois, foram apresentadas num evento público, no sábado dia 12, entre as 18.00 e as 24.00, na Rua do Século, em Lisboa.

"Recebemos um pouco de tudo, desde acções muito concretas para serem realizadas na cidade até à tese de um professor de Filosofia sobre lugares imaginários, passando por vídeos com perspectivas ideais, um projecto para destruir Lisboa e poemas", referiu Ana Riscado, da produção da iniciativa.

A acção decorreu em dois espaços da Rua do Século. No átrio da Escola Superior de Dança foram expostas as propostas, realizaram-se debates e foram projectados os vídeos que chegaram aos organizadores do concurso. O Largo do Século serviu de ponto de encontro, com bancas das associações e movimentos cívicos que participaram nos debates, um palco e vários bares.

O concurso integra-se na programação do projecto internacional Lugares Imaginários, apoiado pela Comissão Europeia, e cujo tema central é a Cidade Ideal. Segundo o projecto, durante um ano, cinco equipas de artistas devem trabalhar sobre as paisagens imaginárias do corpo humano e da cidade mediterrânica, de forma independente, mas com a hipótese de trocar ideias e pontos de vista e de desenvolver o trabalho em parceria.

No encontro Lugares Imaginários - Lisboa, que termina no dia 20, as cinco equipas - que incluem encenadores, coreógrafos, actores, bailarinos e outros artistas - da capital portuguesa, de Marselha (França), Cagliari (Itália), Ljubljana (Eslovénia), Girona (Espanha), Istambul (Turquia) e Beirute (Líbano) encontram-se em Lisboa para trocar ideias.




(DNOnline, adaptado)

sábado, maio 12, 2007

SAL a mais pode fazer mal!

Ontem fui ver as figuras que eu fazia há 10/15 anos atrás! LOL

Enfim, não me parece que fosse tão histérico como alguns dos jovenzinhos que vi ontem. Mas pronto. Quando cheguei a Algés, e depois de estacionar, lá consegui arranjar maneira de chegar ao Passeio Marítimo de Algés, que mais não é que um descampado que ontem estava literalmente a abarrotar de miudagem (mas não só). Pelo caminho fui ouvindo os Tara Perdida do Ribas que até deram um bom concerto. Quando finalmente entrei no recinto e depois de ter dado uma olhadela ao stand do Sapo (obrigado pelo convite Patrícia!) fui para o palco que os Xutos estavam para começar.
O piso do recinto é muito mau. Basicamente andamos em cima de pó, pedras e entulho. E é ali que querem fazer um festival internacional?? Bom....todas as creches devem ter despejado as suas crianças naquele sítio! Estava apinhado e acabei por ficar mais para trás do que gostaria, mas paciência. Já não tenho paciência nem idade para andar a "furar" à bruta. Procurei e encontrei o grupinho que queria, isto é, os casalinhos mais velhos, tão estudantes como eu, e postei-me atrás deles.
O concerto foi muito bom. Curiosamente os melhores concertos que me lembro dos Xutos foram sempre na Semana Académica. Tocaram para cima de duas horas (enfim, 2 horas se descontarmos o Intro aborrecido e longo) e devo dizer que a certa altura já 'pedia' a "Casinha" para ir descansar! lol
O Tim explicou que as músicas que iam tocar tinham sido escolhidas pelos fãs (na internet provavelmente) e foi uma boa escolha e bem variada. "Esquadrão da Morte", "Quero-Te", "Viuvinha", "O Vento", "Andarilhos" etc etc etc foram muito bem vindos.A homenagem esperada ao Zeca Afonso apareceu com o "Coro da Primavera", precedida do discurso político da praxe pelo Zé Pedro. Até o tema do "Diz Que É Uma Espécie de Magazine" tocaram.
Muito bom sim senhor, valeu o sacrifício.


Barcos Gregos



Coro da Primavera



Chuva Dissolvente




E sim, é claro que houve oportunidade de ouvir omentários brutos, como o de um bébé ao meu lado que depois da sequência "Esquadrão da Morte"+"Viuvinha"+"Não Sou Jesus"+"Andarilhos" exclamou alto: "Agora a ver se tocam alguma coisa conhecida, tá!?" Mas não faz mal. Para meu espanto, ainda houve um punhado que cantou o "Quero-te".

28 anos a serem a maior e melhor banda portuguesa é obra.

quinta-feira, maio 10, 2007

Yo! The Doctor is in da house! Yo!

A alergia crónica e sazonal voltou a flectir os seus músculos ontem. Mas quem ficou dorido fui eu. Esta porcaria prece um vírus: vai mudando de características subtilmente com os anos, tornando complicado o seu combate. Enfim, ontem lá levei a murraça da ordem e assim que pude aterrei no sofá por volta das 18.30, onde fiquei quase duas horas semi-dormitando. Antes do dormitanço estava de tal modo K.O. que até vi, finalmente, um episódio completo do Dr. House.
Sim, estava de tal maneira esparramado no sofá que qualquer coisa serviu para me distrair um bocadinho. E sempre aproveitei para ver esta coisa para depois poder falar ma....errr.....para formar uma opinião.
Em primeiro lugar nunca tive paciência para séries de médicos e hospitais (pelo menos as que se levam a sério). Acho ligeiramente aborrecido pela quantidade de conversa técnica que é debitada. Neste Dr. House então, o ritmo é ainda maior. Nunca vi tantas palavras compridas e arrevezadas juntas de uma só vez. Era o arrenitixonol, o lupus integretitiontont, não sei quantas miligramas de paroxoninterferon, etc etc. Parece mais ficção científica que qualquer série de ficção científica. Mas o povo "grama" isto.
Outro tipo de série para a qual perdi há muito a paciência é a que mete advogados, juízes e palhaçadas em tribunal em geral. Mas tem piada que nessas séries não vemos os advogados e comparsas a falar em impugnações paulianas, pactos leoninos, locupletamento indevido, comodato, esbulho, acessão industrial imobiliária, etc etc. "E aquele fideicomisso?? Ah ganda fideicomisso! Só lhe falta uma curatela e talvez algum dolo para ser mesmo fixe!" Se enchessem estas séries com tantas referências legais e jurídicas o público morreria de tédio. Curiosamente o mesmo não acontece nas séries de médicos. Deve ser a tendência inata de alguns de discutir e querer saber sobre as doenças e afins.

Em relação ao Dr. House esta vertente é ainda mais acentuada pois aquilo é uma espécie de CSI dos médicos. Há sempre um acontecimento estranho potencialmente perigoso, vários suspeitos e o esforço da equipa em apanhar o horrível meliante. Neste caso um vírus qualquer obscuro oriundo do Zimbabué ou coisa que o valha. E o esquema parece ser sempre o do "rebelde mas brilhante" Dr. House em luta constante com os pacientes irritantes, os colegas cépticos e os chefes do hospital que tentam fazer com que ele se "porte bem". Obviamente que tudo se encaminha para que o anti-social, sarcástico e levemente arrogante Dr. House prove ter razão.

Enfim...gostos. Mas faz-me confusão ver o Hugh Laurie a fazer de Dr. House, com um sotaque americano manhoso. Tal como me faz confusão o Mr. Bean do Rowan Atkinson. Tanto o um como o outro alcançaram fama internacional com personagens quanto a mim inferiores às suas qualidades. Tal como o Rowan Atkinson será sempre o Edmund BlackAdder para mim, também o Hugh Laurie será sempre o George dessa mesma série "Black Adder" e da excelente britcom "Fry & Laurie".






Pronto, era só isto.

quarta-feira, maio 09, 2007

\m/




IRON MAIDEN Announces 'A Matter Of The Beast Summer Tour '07' - May 8, 2007

In acknowledgement of the 25th anniversary of the release of their seminal album "The Number of the Beast" and the tremendous international success of their recent album "A Matter of Life and Death", IRON MAIDEN's forthcoming June dates in Europe will go under the banner of "A Matter Of The Beast Summer Tour 07". The band will be playing five songs from each of these albums plus other fan favorites and will be taking out a full-on stage production which will include the final appearances of Eddie's notorious tank!

Says vocalist Bruce Dickinson: "It's always a lot of fun for us to play outdoors in the summer. It tends to be a different vibe to playing indoors, much more of a party atmosphere so it's good to put together a set list that matches this. There has been a lot of interest in the 25th anniversary of the release of 'Number of the Beast' so we thought it would be great to give the fans a bit of extra Beast this summer to acknowledge this."

Biddinghuizen, Holanda, aí vou eu!



HOLLAND June 16, 2007 Zwolle Fields Of Rock festival

domingo, maio 06, 2007

Viva o Túnel do Marquês!!

Viva o Túnel do Campo Pequeno cheio que nem um ovo e com a mesma dinâmica desse mesmo ovo que fica para ali no frigorífico durante semanas, imóvel...


Final de tarde de Sexta-Feira. Os verdadeiros Homens, com "H" grande mesmo estavam aqui. A suportar um fluxo dramático de trânsito nunca antes visto no Mundo Civilizado (por mim pelo menos).



Nem sequer o pobre desgraçado do françiu do "Rally Des Capitales" se safou. Teve de aguentar o passo de caracol como se fosse um Mercedes grandinho.

Bem que o compadre Saldanha indicava o caminho dali para fora, como quem diz: "Bazem daqui, desamparem-me a loja! É por ALI que têm de ir, ok? Agora vão!"


Mas como fazer isso quando o único caminho possível e livre era "para cima"? De resto não havia espaço nem sequer para mais um Smart. Qual quê...nem sequer um Aixam lá caberia ou um daqueles irritantes "papa-reformas".

quarta-feira, maio 02, 2007

~~~~~~

Relax in the superiority of your certainty

Relax in the certainty of your superiority




Gunther Dünn