quarta-feira, maio 31, 2006

Ranzinza!!!

Bem, antes que digam que só acontecem coisas más e irritantes, devo dizer que fiquei bastante agradado hoje quando pude constatar que a perseverança na boa educação e simpatia pode, afinal, dar bons resultados.
Se há coisa que me desagrada é a falta de boa educação e modos, nomeadamente no que toca à secular arte das saudações. Nada como um forte e vigoroso "Bom Dia!" para começar bem o dia.

Daí andar ligeiramente incomodado com uma senhora com a qual, fruto da nossa localização geográfica laboral recíproca, me cruzo bastantes vezes. Fico algo indisposto quando ao meu relativamente sonoro "bom dia" ou a qualquer outro tipo de saudação do género, apenas obtenho uma expressão carrancuda, ou 'trombas', em belo português.

(In)felizmente tenho andado ocupado com outras coisas que me irritam mais pelo que não deixei de cumprimentar a dita senhora com a cortesia devida. Pois, qual não foi o meu espanto quando hoje, finalmente, não só obtive uma resposta igualmente cordial, como até, pasmem, fui interpelado para a bela da piada circunstancial.

Ainda bem. O que só prova que se há alturas em que uma pessoa tem de desistir de dar o 'benefício da dúvida a alguém', há outras, em maioria felizmente, em que até compensa 'esperar' por melhores dias. Nem sempre as pessoas são assim tão mal encaradas....são feitios. E, nesse aspecto, eu sei muito bem o que digo.
Óptimo....sempre é mais agradável trabalhar assim.

Não há necessidade

Alguém devia dizer ao Ribeiro da Rádio Comercial que, sim senhor, o hino da selecção de Trinidad & Tobago é muito giro e divertido, mas que NÃO HÁ NECESSIDADE de o repetir 347 vezes durante os 45 minutos que eu ouço rádio de manhã.

Já agora alguém que diga a TODOS os locutores de rádio que, sem prejuízo de alguns terem realmente piada, que têm, NÃO HÁ NECESSIDADE de estarem constantemente a tentarem ter piada. É que por vezes falham miseravelmente nesse intento.

Aliás, alguém devia dizer o mesmo àquelas pessoas que estão permanentemente a fazer piadas no dia-a-dia nas suas relações pessoais e profissionais. É que é extremamente cansativo, ridículo e sinal, ao contrário do que se calhar julgam, de falta de sentido de humor. Alguém que venha aqui e que diga a uma certa pessoa que NÃO HÁ NECESSIDADE. E já agora que vá morrer para o cu de Judas.

Por fim, estive ontem na Feira do Livro. Reparei que o livro do Carrilho já vai na 2.ª edição. Por favor alguém que diga ao povo que NÃO HÁ NECESSIDADE de comprar mais!!!!!

sábado, maio 27, 2006

:s

Our life is fritted away by detail... Simplify, simplify!

Henry David Thoreau

sexta-feira, maio 26, 2006

Fight

We shall go on to the end, we shall fight in France, we shall fight on the seas and oceans, we shall fight with growing confidence and growing strength in the air, we shall defend our Island, whatever the cost may be, we shall fight on the beaches, we shall fight on the landing grounds, we shall fight in the fields and in the streets, we shall fight in the hills; we shall never surrender.

Winston S. Churchill

quinta-feira, maio 25, 2006

The Way

Forging the future from the timeless stone
Oh let me know how far I can go
Answering the questions that no one ever asks
Float through the sea of madness
And face the everlasting task
So lonely to wander
So sad to be alone
In the mist of the unknown
Trying to fool myself
With dreams that never come
So hard to stand my ground
Never again will i fail
Will you tell me not to wait
Tell me to live for today
As the flowers wither
I will forget my pain
Since the stars have shone
The devil has shown me the way


P.Koskinen

quarta-feira, maio 24, 2006

Just Fucking Google it!!!!

A Internet é um mundo. A quantidade de informações que se podem encontrar aí é quase imensurável. Desde a receita mais básica de Culinária até à mais avançada teoria de física quântica. De certeza que até podemos encontar a Teoria da Relatividade do Einstein explicada em termos básicos aos pobres mortais como eu.
Se, por um lado, é verdade que passamos muito tempo online, também é verdade que muitos de nós já não conseguiam trabalhar sem a internet.
E se, por um lado, é incrível e quase assustador, a quantidade de dados a que podemos aceder num piscar de olhos, por outro lado, também não deixa de ser incrível quando estas facilidades e possibilidades são desbaratadas ou ignoradas.
Vem isto a propósito dum site que descobri inadvertidamente, e que realça precisamente as virtuddes da Internet e do Google no processo aquisitivo de conhecimentos, especialmente dirigido a preguiçosos!



LOL

terça-feira, maio 23, 2006

Nunca é demais recordar!

HARD ROCK HALLELUJAH!!!

Lordi live in Eurovision Semi-Finals - 18-05-2006




Hard Rock Hallelujah!
Hard Rock Hallelujah!

The saints are crippled
On this sinners' night
Lost are the lambs with no guiding light

The walls come down like thunder
The rocks about to roll
It's The Arockalypse
Now bare your soul

All we need is lightning
With power and might
Striking down the prophets of false
As the moon is rising
Give us the sign
Now let us rise up in awe

Rock 'n roll angels bring that Hard Rock Hallelujah
Demons and angels all in one have arrived
Rock 'n roll angels bring that Hard Rock Hallelujah
In God's creation supernatural high

The true believers
Thou shall be saved
Brothers and sisters keep strong in the faith
On the day of Rockoning
It's who dares, wins
You will see the jokers soon'll be the new kings

All we need is lightning
With power and might
Striking down the prophets of false
As the moon is rising
Give us the sign
Now let us rise up in awe

Rock 'n roll angels bring that Hard Rock Hallelujah
Demons and angels all in one have arrived
Rock 'n roll angels bring that Hard Rock Hallelujah
In God's creation supernatural high

Wings on my back
I got horns on my head
My fangs are sharp
And my eyes are red
Not quite an angel
The one that fell
Now choose to join us or go straight to Hell

Hard Rock Hallelujah!
Hard Rock Hallelujah!
Hard Rock Hallelujah!
Hard Rock Hallelujah!

Rock 'n roll angels bring that Hard Rock Hallelujah
Demons and angels all in one have arrived
Rock 'n roll angels bring that Hard Rock Hallelujah
In God's creation supernatural high

Hard Rock Hallelujah!

"Hard Rock Hallelujah" videoclip:

segunda-feira, maio 22, 2006

Busy Bee

Fim de samana agitado! Preciso de outro, já!
Jantar em Sesimbra na sexta com noite terminada no meio dum bailarico irlandês bem suado, exposição da Maria no Sábado, bastante concorrida e festa de anos do irmão a seguir. Saída para a Monstra-Festival de Cinema de Animação onde primava a famosa Escola Polaca de Animação (Vasco Granja, onde andas??), onde deu para assistir ao concerto dos Orquestrinha do Terror, uma banda instrumental, e muito instrumental, diga-se de passagem. Muito interessante o concerto e difícil de catalogar.
Entretanto os LORDI ganham avassaladoramente o festival da canção para choque do cretino do Eládio!!
Domingo chegou com chuva e desmontagem da exposição, e muitas, muitas voltas de carro...LOL, mas tudo se fez felizmente. Fim de semana acabado em modorra a ver o "The New World", nova obra do Terrence Malick, baseado na história da Pocahontas. Grande realizador, de culto, e só para alguns, como se costuma dizer. Sê-lo-á e, de facto, tem-no sido. Infelizmente, neste caso, não me trouxe absolutamente nada a não ser a monotonia e uma sensação geral de desnecessidade.

Anyway: Monday, feckin' Monday.
ARGHHHHHHHHHHHHHH

sexta-feira, maio 19, 2006

Go LORDI, go!!! \m/

Se há país que se pode considerar um país metal, esse país é a Finlândia. A Suécia, a Noruega e a Alemanha andam bem perto, mas penso que ‘O’ país mais heavy metal de todos é mesmo a Finlândia. De facto não só é a terra natal de tantas e boas bandas, como Stratovarius, Nightwish, Ensiferum, Amorphis, Sentenced, Manitou, Machine Men, Moonsorrow, Children Of Bodom, Mors Principium Est, Finntroll, Thunderstone, etc etc, como também os próprios finlandeses em geral têm uma atitude praticamente única na Europa. Se aqui em Portugal foi um acontecimento os Moonspell terem atingido o primeiro lugar do Top com o álbum “Memorial” na Finlândia, ao que sei, isso é um acontecimento vulgar com as bandas de heavy metal nacionais.

Por isso foi com alguma antecipação que aguardei a semi-final desse inefável e inenarrável evento televisivo o Festival da Eurovisão, onde a Finlândia foi representada pela banda mais improvável de sempre, os LORDI.

Os LORDI são uma banda de hard rock melódico muito na linha duns WASP ou do Alice Cooper. Têm uma sonoridade muito melódica, com canções definitivamente ‘orelhudas’ e memoráveis e cheias de guitarras e refrões cantaroláveis. Do melhor portanto. Quanto ao aspecto visual então, mais improváveis se tornam, uma vez que parece que se vão influenciar grandemente nos KISS e nos Gwar, apresentando todos os elementos da banda como um qualquer figurante de um qualquer filme de terror ou de ficção científica. ‘Shock rock’, ‘monster rock’, ou como lhe quiserem chamar; cada membro da banda tem em cima uma máscara altamente produzida e característica. São autênticos monstros.

Ora foi esta banda que venceu o Festival da Canção Finlandês com uns esmagadores 42% de votos, tornando “Hard Rock Hallelujah” na canção finlandesa mais popular de sempre. O próprio Mr. Lordi, líder e vocalista, quando foram convidados a participar no Festival julgou que havia um engano qualquer. E à questão do que acham em participar no festival respondeu que era como se fossem carnívoros num restaurante vegetariano (‘meat eaters in a vegetarian café').

Foi ontem a semi-final e os LORDI qualificaram-se para a final! Deram um espectáculo completo com fogo de artifício e pirotecnia. O que, mais uma vez diz muito acerca do povo finlandês. Segundo o que foi noticiado, a TV finlandesa não possuía dinheiro suficiente para suportar todos os custos envolvidos com a produção do show, nomeadamente com a pirotecnia. Chegou mesmo a falar-se em cancelamento. Mas os finlandeses não deixaram que isso acontecesse, ao unirem-se espontaneamente, fazendo uma ‘vaquinha’ para juntarem o dinheiro suficiente para suportar as despesas. Várias organizações e até cidadãos particulares quotizaram-se para pagar. Ninguém pediu para o fazerem, mas fizeram-no mesmo. Toda a Finlândia está com os LORDI.

Se isto não é APOIAR, não sei que mais possa ser. Está-se mesmo a ver isso a acontecer cá em Portugal. LOL

Por Portugal...lá estivémos mais uma vez. Nem sequer nos qualificámos. Não é que a canção fosse má (para os padrões daquele festival), mas sou só eu que acho, ou as meninas não tinham uma boa voz? Pareceu-me muito fraquinho.
Mais uma vez o Eládio Clímaco comentou a cena ao estilo habitual, ou seja: ridículo e constrangedor ao máximo. Para quando a reforma deste senhor?
Em relação ao resto das canções....enfim....o desfilar do costume de cançonetas todas iguais umas às outras, sempre com a mesma batida tecno por trás. Muito pobrezinho. A Islândia então chegou a roçar a deficiência mental.
De realçar a prestação genial da Lituânia com a canção "We are the winners of the Eurovision" LOLOLOL

quinta-feira, maio 18, 2006

Nem o Saramago se safa! Devia DE pensar que é muita bom! Pfff.

A nossa língua sempre foi muito propensa a corruptelas. De tal maneira que às vezes deixamos de saber como se escreve ou pronuncia uma determinada palavra, de tão propagada essa corruptela é. O famoso "hádes", "espilrro", "portantos" e o "prontosx", já correram muito por aí; e se correm menos agora é porque já há consciência de que são termos incorrectos.

Mas há agora, e desde há um par de anos atrás, uma dessas corruptelas que insidiosamente, qual verdadeira praga, se tem vindo a alastrar entre nós. De tal maneira que é impossível não ouvi-la várias vezes durante o dia-a-dia. É o infame e cansativo "deve de"; como em "Nós devemos de ir lá mais logo", ou "devíamos de ter convidado o Bonifácio". Basta prestar atenção à televisão e rádio para apanharmos com este perfurante "de". E como é óbvio, se se ouve nos mass media, ouve-se ainda mais no dia a dia. Ainda hoje ouvi esse pequeno "de" a várias pessoas aqui no trabalho.

Será possível que não lhes soe mal? É que a mim soa. Torna uma frase normal, num amontoado atabalhoado de palavras em que a mera existência dessa partícula torna difícil dar uma entoação adequada. O "de" obriga-nos a fazer uma paragem no meio da frase. Muito estranho. Em vez do escorreito "Nós devemos ir lá mais logo", temos o "Nós devemos DEEEEEEE ir lá mais logo". É esquisito e soa mal. E não vejo a necessidade de colocar ali aquelas duas letras, coitadinhas, que precisam já de descanso.

Procurei na Internet um site de Dúvidas de Português para esclarecer de vez isto. Qual não é o meu espanto quando a busca da expressão "deve de" resultou num sem números de sites onde tal expressão estava escrita...... o que mais me encorajou a procurar a verdade.

E encontrei-a. Portanto, sem mais delongas, e sem querer parecer uma qualquer Edite Estrela vou passar a citar:

Tema
Pode-se «ter o dever de», mas nunca se "deve de"

Pergunta
Ouve-se muitas vezes dizer coisas como:

«Devia de o convidar para a festa...»
«Devíamos de ir lá...»
«Devíamos de perguntar-lhe se....»
Sempre achei que este «de» estava a mais, mas deparei-me com este tipo de construção numa obra de Saramago (em "Todos os nomes") pelo que fiquei confuso:
Será que está incorrecto, e este escritor apenas o escreve como "referência livre" a uma certa tradição oral, ou será gramaticalmente aceitável?

Filipe Oiveira

Resposta

O de está a mais, com Saramago ou sem ele! Deve-se à confusão do verbo dever com a locução sinónima ter de, cujo de se lhe juntou analógica e indevidamente.

F. V. P. da Fonseca
14/03/2006



Ou seja: podemos "ter o dever de fazer" o que quer que seja, mas NUNCA "se deve de fazer" o que quer que seja.

terça-feira, maio 16, 2006

FULL SPEED AHEAD

I’ve walked 31 miles
31 more lie ahead of me
Will I find the strength?
To carry on with this
Sometimes tired and exhausted
Worn and beaten
But somehow I’ll have to manage a way
A way to move on
Never caring for days passed
Never caring for my fate
Walking full speed ahead
While time slips through my fingers
Walking full speed ahead
While trying to learn the best I can
Sometimes it may hurt
Sometimes I may fall, but
Walking full speed ahead
Is the only thing I can do
Walking full speed ahead
Running in front of the tide
Walking full speed ahead
Is the best thing I can do



Gunther Dünn (adapted)

sexta-feira, maio 12, 2006

O Sr. Carrilho

Desta vez o motivo é algo mais aborrecido ou, talvez, menos elevado ou agradável, mas a verdade é que preciso de o dizer. E numa frase simples se pode resumir: "E ninguém cala o idiota do Carrilho?"

O Excélsio Sr. Professor Doutor lançou ontem um livrozeco intitulado filosoficamente "Sob o signo da verdade". Nele o autor dedica-se inteligentemente a remexer e a trazer ao de cima toda a bosta que fez durante a sua patética campanha eleitoral para a Câmara Municipal de Lisboa.

Pergunto-me quão inteligente e producente é realmente esta jogada, tendo em conta a figura ridícula e absurda que este senhor mostrou durante todo o período de tortura eleitoral. Se o Sr. tinha alguma credibilidade, parece-me legítimo supôr que a perdeu em vários níveis e quadrantes. Mais grave ainda, falha em perceber que a sensibilidade do "Zé Povinho" não vai 'muito à bola' com os infames "queixinhas"; que é o que ele foi na campanha e é o que ele, estupidamente, demonstra ser novamente.

Falha também no conhecimento de um aspecto político tão próprio de Portugal que é o esquecimento. Ele fez aquela figura que sabemos; ora, o mais inteligente da parte dele teria sido ficar num 'low profile' discreto até o povo se esquecer. Mas não. Entendeu por bem voltar à tona para relembrar a toda a gente como é cretino. Devia ter umas lições com o Santana, esse sim, perito na arte do 'low profile' após a palhaçada.

Enfim...ou é um caso de declarada debilidade mental para estas coisas, ou então é uma enorme falta de vergonha e uma gritante falta de noção das coisas.

O livro encontra-se em qualquer livraria, mas o Sr. Carrilho, tão magnânimo do alto do seu filosófico pedestal, entendeu dar alguma cultura ao povo ignorante e espectador da infecta SIC, essa estação de TV dirigida pela Inquisição. Assim, temos acesso ao prefácio da sua obra, tão recentemente obrada. Hurra!

Ao lermos podemos imediatamente verificar que se trata do costumeiro estilo achincalhante e queixinhas a que já nos habituou. Estranho que um livro com este título esteja tão em contradição com o mesmo.

Um exemplo sintomático: "...o meu filho Dinis não esteve nunca presente, foss na campanha ou na pré-campanha (...), nunca passou de mera ficção". Pois. Ninguém viu o video eleitoral feito com a mulher e o filho. Era uma ficção.

Outro: "O não aperto de mão foi uma operação totalmente ilegítima de branqueamento da difamação (...) uma montagem retrospectiva cheia de maldade e de intenção caluniosa". Pois. Ninguém viu o teu exemplo de má educação extrema. Foi uma ficção. Por mais razão que tivesse o Manel, não deixou de dar um grande mau aspecto. E só provou mais uma vez a sua total inépcia para a política.

Prossegue ainda mencionando "operações de falsificação", "manipulações políticas", o "polvo" (será fã da série de TV?), etc etc. Não consta do prefácio mas sei que dirigiu grandes ataques pessoais ao Marcelo Rebelo de Sousa e ao Miguel Sousa Tavares. Mais uma vez: que vergonha Manel. Não havia necessidade.

No fundo o que aconteceu é que ele era o "candidato a abater". E pensando bem, se calhar até era. Com tanta figura idiota, com tanta incompetência e cretinice qualquer um tem vontade de o abater e abafar.
Tem vergonha Manel e tá mas é calado!


PS:

Lendo o restante texto do prefácio, há que dizer em abono da verdade, que o Sr. Carrilho expende algumas opiniões certeiras sobre o modus operandi actual da comunicação social, nem sempre pautado pelos mais éticos ou nobres princípios. A comunicação social é uma má comunicação social, sem dúvida. Mas a verdade é que quem começou por não se dar ao respeito, quem começou a fazer figuras cretinas foi o Sr. Carrilho. Estava à espera de quê?

terça-feira, maio 09, 2006

#

Ever tried
Ever failed
No matter
Try again
Fail again
Fail better

Samuel Beckett



Ou como diria o Woody Allen:

"If you're not failing every now and again, it's a sign you're not doing anything very innovative."

segunda-feira, maio 08, 2006

Monday Monday

You can poke my brain
You can broke my heart
But you won't bring me down!!
You can shatter my bones
You can shake my foundations
But you won't bring me down!!!
You can kill me yet again
You can mistreat me as always
But you won't bring me down!!!!
'Cos i will go on forever
And ever...


Gunther Dünn

sexta-feira, maio 05, 2006

Walk On

And I know it aches
And your heart it breaks
And you can only take so much
Walk on, walk on

What you've got they can't steal











Paul Hewson

quinta-feira, maio 04, 2006

I'm goooiiiiiiiiing Slightlyyyyy Maaaaaaaaad!

#$%GRRR**%$$§€£


I'm Going Slightly Mad

When the outside temperature rises
And the meaning is oh so clear
One thousand and one yellow daffodils
Begin to dance in front of you - oh dear
Are they trying to tell you something?
You're missing that one final screw
You're simply not in the pink my dear
To be honest you haven't got a clue
I'm going slightly mad
I'm going slightly mad
It finally happened - happened
It finally happened - ooh oh
It finally happened - I'm slightly mad
Oh dear!

I'm one card short of a full deck
I'm not quite the shilling
One wave short of a shipwreck
I'm not at my usual top billing
I'm coming down with a fever
I'm really out to sea
This kettle is boiling over
I think I'm a banana tree
Oh dear, I'm going slightly mad
I'm going slightly mad
It finally happened, happened
It finally happened uh huh
It finally happened I'm slightly mad - oh dear!
I'm knitting with only one needle
Unravelling fast its true
I'm driving only three wheels these days
But my dear how about you?
I'm going slightly mad
I'm going slightly mad
It finally happened
It finally happened oh yes
It finally happened
I'm slightly mad!
Just very slightly mad!
And there you have it!

quarta-feira, maio 03, 2006

:think:

Yesterday's answers
Have nothing to do
With today's questions
Life can only be understood backwards
But must be lived forward

Kierkegaard/Mustaine

terça-feira, maio 02, 2006

Fábrica da Pólvora: campo e cidade?

Photobucket - Video and Image Hosting


A Fábrica da Pólvora em Barcarena é um lugar surpreendente a todos os níveis. Vale bem a pena visitar este sítio que se vai revelando pouco a pouco a cada passo que damos. É extraordinariamente grande e luxuriante. Há vários cafés com esplanadas aprazíveis, alguns deles mesmo embrenhados na 'selva', há uma deliciosa lojita de livros infantis, há concertos e exposições. E há, claro os jardins enormes, completos com regatos e riachos mais as respectivas pontes e afins. Em suma: vale bem a pena visitar a Fábrica da Pólvora. E perdoem-me o lugar comum ou a frase feita, ou mesmo a previsibilidade suspeita, mas a verdade é que desde Sábado até ao próximo dia 19 de Maio ainda vale mais a pena visitá-la! ;)